SEJAM BEM VINDOS AO MEU BLOG, O OBJETIVO É FALAR DAS EXPERIÊNCIAS QUE TENHO AO LONGO DOS MEUS DIAS, AQUI SABERÃO UM POUCO DE MIM, DO QUE PENSO E DO QUE ACHO QUE SEI, BOA LEITURA E DIVERSÃO.

terça-feira, 31 de julho de 2012

AGENDA SCHUNK - TERÇA 31/07 - PSOL 50


Erik Schunk (PSOL)
10h – Reunião com candidatos à Câmara pela Frente, na sede do PSOL
17h – Panfletagem na Rodoviária Roberto Silveira

CONVITE:

VOVÓZINHAS GOSTOSAS

MUSSUM

CORUJA

EU SOU ASSIM

REVISTA RAP NACIONAL 5

OI, OI, OI...

SOU CONTRA ESSA LEI...

EXTRAIDO DO BLOG: TE DOU UM DADO

Detetivões

Publicado por: Polly

Do G1:

camera Tudo é o nome que se dá

Adoramos que iPhone agora é "câmera exótica". Fica a dica pros marqueteiros da TecPix: a partir de hoje, podem chamar de "câmera vintage". Vai vender o triplo.

(Via @ducamendes)

CHARLIE SHEEN

ARMADILHA PRA ESTUPRADOR...

EXTRAIDO DO KIBELOCO:

KIBE LONDRES (PARTE 4)


KIBE LONDRES (PARTE 3)

Pode jogar de boia?

Duvida? Clique AQUI.


KIBE LONDRES (PARTE 2)

Menos de uma semana após o início dos Jogos Olímpicos de Londres, os amantes dos esportes já puderam testemunhar momentos de muita emoção e, claro, muito constrangimento também.

Como os momentos bonitinhos são repetidos ad nauseam pelos veículos tradicionais de comunicação, resolvemos, abaixo, listar os cinco piores momentos – pelo menos para nós – das Olimpíadas até aqui.

5º LUGAR – DERAM BANDEIRA.

Pois é. O esporte ficou em segundo plano logo no primeiro dia dos Jogos Olímpicos de Londres. O jogo entre Coreia do Norte e Colômbia pelo futebol feminino quase não aconteceu porque, na apresentação as equipes, a bandeira do país asiático foi trocada justamente pela Coreia do Sul, nação contra qual mantém conflito e separação desde a Segunda Guerra Mundial.

A organização formalizou um pedido de desculpas e comprometeu-se a não repetir o equívoco para contornar a situação e evitar um incidente de maiores proporções. A Coreia do Norte aceitou as desculpas, mas a partida teve seu horário de início remarcado, passando das 15h45 para as 16h50 e o público presente aplaudiu imensamente o hino norte-coreano (para desespero do mundo ocidental).

As coreanas dominaram a partida e venceram a Colômbia por 2 a 0.

4º LUGAR – P*%RRA, MYLENA!

Cobrir eventos ao vivo não é uma tarefa fácil para nenhum jornalista. Cobrir os Jogos Olímpicos então, é quase uma overdose de nervosismo e adrenalina. Depois de Ana Paula Padrão (veja mais abaixo), foi a vez de Mylena Ciribelli dar com a língua nos dentes.

A culpa, claro, não foi dela, mas, graças a uma falha, o áudio da jornalista vazou e, com ele, um sonoro palavrão chegou aos lares de todos que acompanham as Olimpíadas pela TV aberta. Ouça…


“Fala aqui na p*%rra do fone!”

3º LUGAR – É BRONZE!

O 3º lugar é bronze. Mais especificamente o bronze do judoca brasileiro Felipe Kitadai.

Emocionado pela conquista, Felipe não larga a medalha em hipótese alguma. Nem debaixo do chuveiro. Mas o apego acabou sendo a causa de um problema peculiar. Ao entrar no banho, o brasileiro levou a medalha consigo e teve a “brilhante ideia” de segurá-la com os dentes. Resultado? A meldalha caiu no chão e… quebrou! Isso mesmo.

A delegação brasileira já fez um pedido oficial ao COI para trocar a medalha.

2º LUGAR – OS IRMÃOS HYPÓLITO.

Um filme deve ter passado na cabeça dos irmãos Diego e Daniele Hypólito quando os ginastas, mais uma vez, desequilibraram-se e caíram. Aliás, um filme que todo mundo já viu.

Diego repetiu o desempenho pífio dos Jogos de Pequim há quatro anos. Na China, caiu sentado. Em Londres, caiu de quatro. Abatido, Diego se desculpou com o clube, patrocinadores, torcedores e disse que “amarelou” (?!?).

Daniele, que saltou um dia depois do irmão, deu uma desculpa mais esfarrapada. A ginasta disse que é tão ligada a Diego, que, quando ele sofre, ela sofre também e, por isso, acabou sendo “influenciada”.

Resta saber por que ela foi tão mal nos 4 (quatro!) Jogos Olímpicos que disputou, já que o irmão esteve só em dois.

1º LUGAR – PADRÃO GLOBO.

Ana Paula Padrão, principal âncora e apresentadora da transmissão inédita da Record durante os Jogos Olímpicos de Londres pode ter saído da Globo, mas a Globo, pelo visto, não saiu da Ana Paula Padrão…


Record: a gente vê por aqui.

SNJ

CONVITE:

RACISTA, FILHO DA PUTA!!

Zagueiro suíço é expulso dos Jogos após comentários racistas no Twitter

Michel Morganella chamou sul-coreanos de ‘mentalmente retardados’

Por GLOBOESPORTE.COM Londres

Michel Morganella suíça futebol Londres 2012 (Foto: Agência AP)
Michel Morganella (17) em ação pela Suíça (AP)

O zagueiro Michel Morganella, da seleção da Suíça que disputa as Olimpíadas, foi expulso da delegação por conta de comentários racistas feitos por ele no Twitter. O chefe do time olímpico da Suíça, Gian Gilli, tirou a credencial do jogador que, não enfrentará o México, na próxima quarta-feira, na última rodada do Grupo B do torneio de futebol masculino.

Morganella chamou os sul-coreanos de “mentalmente retardados” após a derrota de 2 a 1 da Suíça para o pais asiático, no último domingo, em Coventry. Após a polêmica, o defensor, que atua no Palermo, da Itália, deletou sua conta no microblog.

- Ele insultou e violou a dignidade do futebol da Coreia do Sul assim como do povo sul-coreano – disse Gian Gilli, em declarações ao jornal “The Guardian”.

O zagueiro, de 23 anos, é o segundo atleta a ser cortado dos Jogos por declarações preconceituosas em redes sociais. Antes dele, a triplista grega Voula Papachristou deixou a delegação por ter feito comentários contra imigrantes africanos.

EXTRAIDO DO BLOG DE XICO SÁ

Tons de cinza e o erotismo para mulheres

A espiã Brigitte Montfort no traço de Benício

Muito barulho por uma versão “Sabrina” de luxo, para ficar apenas no nosso mais famoso romance de banca.

Trato do badaladíssimo “Cinquenta tons de cinza” (ed. Intrínseca), da escritora britânica E.L. James.

O luxo, no caso, fica por conta dos personagens: uma estudante de literatura e um jovem bilionário. Anastasia e Christian Grey. Tudo muito chique.

No mais… Um erotismo que não engata.

Não sei, a não ser por ter vendido milhões lá fora, qual razão faz a mídia brasileira ceder um latifúndio de espaço a tal brochura.

O principal apelo do bestseller seria um erotismo capaz de incendiar as mulheres. Será?

Tentei fazer uma leitura sem preconceitos. Mas foi dureza. Intercalei o calhamaço com vários livrinhos de banca. “Sabrina” é mais caliente, sugestivo e não precisa focar o tesão em uma espécie de Eike Batista versão sadomasoquista de butique –caso do mr. Grey.

Desculpa Srta. James, mas fui educado pelas aventuras da espiã Brigite Montfort, do gênio da pulp-fiction Lou Carrigan. No Brasil as capas eram feitas pelo artista Benício –o camaradas acinzentados acima dos 45 anos sabem do que estou falando.

Creio que exista uma certa diferença entre o erotismo/pornografia para homens e para mulheres. Em vez dos tons de cinza, amiga, pegue logo um livro da Anaís Nin. É literatura sem chatice e infinitamente mais excitante.

Outro dia deixei dez sugestões de outros escritores do gênero. Você pode conferir aqui o post ainda em chamas.

Ou simplesmente largar os livros e criar você mesmo o seu enredo. Muito mais interessante. Seja erótico ou pornográfico.

Aliás acho besteira fazer tal distinção entre erótico e pornográfico.

Meu advogado de defesa, nessa tese, é bem fraquinho: o escritor francês André Breton. Repare no que ele disse: “A pornografia é o erotismo dos outros.”

O que acha?

RIHANNA

Próximo álbum de Rihanna terá músicas em parceria com David Guetta

Do UOL, em São Paulo

  • Michael Buckner/Getty Images

    A cantora Rihanna foi vista curtindo o show do DJ David Guetta no Coachella, na cidade de Indio, Califórnia (14/4/12)

    A cantora Rihanna foi vista curtindo o show do DJ David Guetta no Coachella, na cidade de Indio, Califórnia (14/4/12)

O produtor musical Sean Garrett contou que ele e o DJ David Guetta estão trabalhando juntos em novas músicas para o próximo disco da cantora Rihanna. A informação é do site do jornal "The Daily Star".

Garrett declarou que o resultado tem sito "uma grande mistura de gêneros". Sobre Rihanna, ele afirmou: "Ela trabalha duro e é muito legal escrever para alguém que é tão mente aberta". Em 2010, a cantora lançou a faixa "Who's That Chick" ao lado do DJ francês.

"Guetta encontra inspiração em coisas que eu não gosto, e eu fico animado com as coisas que ele não gosta. Ele quer ser mais urbano e eu quero ser mais internacional. Assim, impulsionamos um ao outro", observou o produtor.

Garrett já esteve à frente de 15 canções que alcançaram o topo da parada da "Billaboard", e já esteve ao lado de Britney Spears, Destiny's Child e Usher anteriormente.

INTERESSANTE...

Cientistas descobrem 'cupins-bomba camicases' na Guiana Francesa

BBC


  • Robert Hanus/ Université Libre de Bruxelles

    Cientistas descobrem 'cupins-bomba camicases' na Guiana Francesa

    Cientistas descobrem 'cupins-bomba camicases' na Guiana Francesa

Especialistas belgas encontraram uma nova espécie de cupim na Guiana Francesa com uma característica curiosa e que, até hoje, nunca havia sido documentada. À medida que envelhecem e se tornam menos capazes de cumprir as tarefas do dia a dia, os insetos desse grupo começam a armazenar cristais sólidos que produzem uma reação química quando misturados com outras secreções do animal. Como resultado, seu poder defensivo aumenta, o que lhes confere grande utilidade para a colônia.

Já se sabia antes que alguns tipos de cupins, para defender sua comunidade, podem literalmente "se explodir", liberando uma enxurrada de produtos químicos sobre seus inimigos. Assim, quando confrontados com uma ameaça à integridade da colônia, estes cupins cometiam suicídio para defender seu grupo.

No caso dos cupins da Guiana Francesa, explicam os especialistas, a diferença é que cabe aos insetos mais velhos a responsabilidade do "suicídio coletivo" frente a uma ameaça. Ou seja, tornam-se camicases, ou "cupins-bomba", da colônia.

Corrosão letal

"Um estudante de graduação em meu laboratório, Thomas Bourguignon, estava pesquisando a ecologia comunitária dos cupins e coletando amostras, quando, de repente, se deparou com algo realmente especial", disse à BBC o professor Yves Roisin, da Universidade Livre de Bruxelas.

Roisin explica que ao romper partes de seu corpo, os cupins da espécie Neocapritermes taracua liberam substâncias tóxicas que são jogadas sobre os invasores, corroendo seus corpos.

"As secreções tóxicas para a defesa são normalmente armazenados nas glândulas salivares, mas esta espécie transporta uma 'mochila' com dois tipos de cristais sólidos do lado de fora do corpo. Quando o cupim 'explode', os dois são misturados para produzir uma substância tóxica mais potente", afirmou Roisin.

Ainda não se sabe como esses cupins conseguem sintetizar os cristais. Também é desconhecido se outras espécies deste gênero desenvolveram um mecanismo semelhante.

"Há cerca de cinco ou seis espécies deste gênero, mas até agora encontramos a presença de cristais do lado de fora do corpo apenas da Neocapritermes taracua", disse Roisin.

O estudo foi publicado na revista americana Science.

EXTRAIDO DO BLOG DO SAKAMOTO:

Shoppings: ignorar a realidade não faz ela deixar de existir

“Você paga mais impostos, emprega mais pessoas, dá facilidades de conforto, dá a economia de tempo. Você entra num shopping center e tem compras, alimentação, lazer, até um simples bate-papo. Na minha cabeça, ele deveria cobrar uma contrapartida.”

A declaração é de Luiz Fernando Pinto Veiga, presidente da Associação Brasileira de Shoppings Centers, dada aos repórteres Carolina Matos e Evandro Spinelli, da Folha de S. Paulo, ao ser questionado se as exigências viárias e ambientais impostas aos shoppings pelos órgãos públicos são equivalentes ao investimento realizado por eles.

O discurso é semelhante ao do dono da fábrica que diz que faz um favor aos operários quando abre uma unidade nova, como se ele não precisasse da força de trabalho de pessoas para ganhar dinheiro. Com argumentos bem colocados, subverte-se a vida da forma como desejarmos. Ou seja, os donos de shopping fazem uma caridade aos paulistanos ao instalarem locais onde se oferece, sem nenhum interesse, realidade virtual.

Ou, como dizem meus amigos de Alphaville, ao criticarem os condomínios fechados em que cresceram, “bolhas”. Um ambiente agradável, asséptico, sem pobreza, dor ou feiúra, com temperatura estável e luz na quantidade certa para possibilitar aquilo que fazemos de melhor: comprar.

Como já disse aqui, os produtos que consumimos são estilos de vida. Do que somos. Do que gostaríamos de ser. Do que deveríamos ser – não em nossa opinião, necessariamente, mas de uma construção do que é bom e do que é ruim. Construção essa que vem, não raras vezes, de cima para baixo. A busca pela felicidade passa cada vez mais pelo ato de comprar. E a satisfação está disponível desde que você tenha um cartão de crédito ou débito com saldo. Trabalhamos tanto que, não raro, esquecemos como demonstrar afeto de forma sincera ou simplesmente não temos tempo para isso. Então, a fim de compensar nosso silêncio ou nossa ausência, nos tornando compradores e doadores de símbolos daquilo que não conseguiremos transmitir por vivência direta.

Os shoppings oferecem um caminho fácil para tornar isso possível. Eles não são os culpados, mas fazem parte do processo. Enquanto isso, vamos feito gado, comprando bovinamente, sem nos questionar do que aquilo representa.

Você que mora fora de São Paulo não entende a paixão avassaladora que nós, paulistanos, temos com o shopping center. Matérias e mais matérias já foram produzidas sobre pessoas que não viveriam sem eles – não porque deles dependem para tirar o sustento, mas por terem escolhido suas luzes, vitrines, cinemas, restaurantes e academias como pano de fundo para suas existências. Gostando ou não gostando, eles oferecem a comodidade necessária para o nosso ritmo e fazem parte da nossa vida.

E o melhor é que a sensação de falsa segurança, no melhor estilo “me engana que eu gosto”, oferece a garantia de que nada vai acontecer com você. Da mesma forma que cercas eletrificadas mentem sobre a proteção em casas, que carros blindados mentem sobre a proteção de famílias, que a presença de uma arma de fogo em casa afasta qualquer risco real. Mas nos esquecemos que ninguém vive apenas em suas casas, as pessoas – em algum momento – saem de seus carros e armas de fogo mudam de mãos tão rápido quanto uma cancela se abaixa atrás do veículo no estacionamento do shopping ou uma porta-automática se fecha. Daí em diante, a realidade virtual se desliga.

Em outras palavras, sentimento falso, pois não são cercas, chapas de aço ou armas que garantem segurança aos moradores de uma metrópole como São Paulo. É bom como efeito placebo, para se enganar, mas, mais dia ou menos dia, a bomba estoura.

São Paulo tem mais de 11 milhões de habitantes, mas apenas uns poucos são efetivamente cidadãos, com acesso a todos os seus direitos previsto em lei. Lembra a antiga Atenas, com uma democracia para uns poucos iluminados e o trabalho pesado para o grosso da sociedade, composta de escravos. Enquanto parte de nós aproveitam uma vidinha “segura” dentro de bons shoppings, clubes, restaurantes, boates e residenciais, outros penam para sobreviver e ser reconhecidos como gente. Para cada assassinato em Moema, 130 são mortos no Grajaú. Só que a morte de uma jovem em Moema causa mais impacto na mídia do que a de 130 na periferia, como já aconteceu em outros tempos. Tem vida que vale mais que outras, por causa do dinheiro.

Nesse contexto, e mesmo como muleta retórica, é engraçado os shoppings sugerirem uma contrapartida da cidade por serviços prestados. Pois, mesmo involuntariamente, ajudam a evitar que as pessoas desencastelem-se e tenham a possibilidade de reconhecer no outro um semelhante e procurar um diálogo que construa uma cidade melhor e não destrua pontes. Qual o custo disso para a cidade?

Há riscos de assaltos? Sempre há e eles vão acontecer. Mas devemos ter em mente que há atitudes que pioram o quadro. Ou a cidade será boa para todos ou a aristocracia que sobrar após o caos não conseguirá aproveitar sua pax paulistana. Ignorar a realidade não faz ela deixar de existir.

JUSTIÇA!!!!!

Justiça do Rio determina que PMs acusados de assassinar menino Juan irão a júri popular

Do UOL, no Rio


  • Divulgação

    Juan Moraes foi assassinado no dia 20 de junho durante uma ação do 20º BPM (Mesquita) para reprimir o tráfico de drogas na comunidade do Danon, na Baixada Fluminense

    Juan Moraes foi assassinado no dia 20 de junho durante uma ação do 20º BPM (Mesquita) para reprimir o tráfico de drogas na comunidade do Danon, na Baixada Fluminense

Os quatro PMs acusados de assassinar o estudante Juan Moares, 11, em junho do ano passado, irão a júri popular, segundo determinação do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ). A Justiça manteve ainda as prisões preventivas dos réus --os sargentos Isaías Souza do Carmo e Ubirani Soares, e os cabos Edilberto Barros do Nascimento e Rubens da Silva. O crime ocorreu durante uma operação da PM na comunidade do Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense.

A sentença é da última sexta-feira (27) e foi publicada na edição desta segunda-feira do Diário Oficial do Judiciário.

De acordo com a sentença do juiz da 4ª Vara Criminal de Nova Iguaçu, Márcio Alexandre Pacheco da Silva, "há indícios suficientes de autoria e participação, prova da materialidade, tipicidade e ilicitude da conduta delituosa imputada, inclusive, das qualificadoras, delineadas nas provas orais" para que o caso seja julgado pelo júri popular.

Além disso, o magistrado afirmou ser "essencial" a manutenção da prisão preventiva dos acusados, argumentando que não houve qualquer tipo de alteração no curso do processo que propiciasse a revogação da custódia. "Elas são asseguradoras do bom curso da instrução processual e garantia da ordem pública", determinou o juiz.

Os réus respondem a dois homicídios duplamente qualificados (pelas mortes de Juan e do adolescente Igor de Souza Afonso, 17, que supostamente teria ligações com o narcotráfico local), duas tentativas de homicídio duplamente qualificado (o irmão de Juan, Wesley Moraes, e a testemunha Wanderson dos Santos de Assis, 19, também baleados) e ocultação de cadáver (de Juan).

Foto 9 de 16 - 08.jul.2011 - Policiais isolam as ruas que dão acesso ao local da reconstituição da morte do menino Juan de Moraes, 11, na comunidade Danon, em Nova Iguaçu (Rio de Janeiro). Juan desapareceu no dia 20 de junho, após incursão de policiais militares do 20º Batalhão à comunidade. Depois de um erro de perícia, a Polícia Civil do Rio anunciou quarta-feira que o corpo do menino havia sido encontrado na semana passada, em Belford Roxo Mais Cléber Júnior/Agência O Globo

Entenda o caso

Juan Moraes foi assassinado no dia 20 de junho durante uma ação do 20º BPM (Mesquita) para reprimir o tráfico de drogas na comunidade do Danon. Além do garoto de 11 anos, o adolescente Igor de Souza Afonso, 17, também morreu no decorrer da operação. Segundo a Polícia Militar, ele teria ligações com o narcotráfico local.

Outros dois jovens foram baleados --Wesley Moraes, irmão de Juan, e o jovem Wanderson dos Santos Assis--, mas sobreviveram. Ambos foram cadastrados no programa de proteção à testemunha em razão das inúmeras ameaças de morte.

"Os denunciados consciente e voluntariamente efetuaram disparos de arma de fogo contra as vítimas Juan, Wesley, Igor e Wanderson, causando-lhes lesões corporais comprovadas posteriormente pela perícia. Os denunciados iniciaram ainda crime de homicídio que não se consumou contra Wanderson e Wesley", afirma a denúncia do MP.

De acordo com o Ministério Público, o cabo Rubens da Silva e o sargento Ubirani Soares deram cobertura para que os outros dois PMs efetuassem os disparos. Os quatro agentes chegaram à comunidade na viatura 521177 do 20º BPM (Mesquita), e os dois executores se esconderam em uma mata próxima a fim de surpreender as vítimas. Após o crime, os acusados ainda tentaram "mascarar o confronto balístico", segundo o MP.

O corpo de Juan só foi localizado após 30 dias por meio de informações anônimas passadas por moradores de Belford Roxo a uma rádio carioca. As investigações causaram divergências entre as polícias Civil e Militar do Rio.

Enquanto a Civil apurava a culpabilidade dos policiais militares que teriam participado de um possível tiroteio forjado e tentado ocultar o cadáver da vítima, a Corregedoria Interna da PM trabalhava com a hipótese de que Juan teria sido morto por traficantes do Danon.

PLAYBOY BOM É PLAYBOY MORTO

Jovens que espancaram universitário que tentou defender mendigo no Rio não irão a júri popular

Do UOL, no Rio


  • Marcelo Theobald / Agência O Globo

    O estudante Vítor Suarez Cunha, de 21 anos, passou por uma complexa cirurgia para reconstrução da face e recebeu 63 pinos de titânio, 8 placas e uma tela para consolidar as fraturas provocadas por socos e chutes

    O estudante Vítor Suarez Cunha, de 21 anos, passou por uma complexa cirurgia para reconstrução da face e recebeu 63 pinos de titânio, 8 placas e uma tela para consolidar as fraturas provocadas por socos e chutes

O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ) determinou que os cinco jovens acusados de agredir o universitário Vitor Suarez Cunha, 22, no momento em que a vítima tentava defender um mendigo, em fevereiro deste ano, na Ilha do Governador, na zona norte da cidade, não irão a júri popular. O juiz da 3ª Vara Criminal da Capital, Murilo Kieling, optou por "desclassificar o crime", de acordo com o TJ.

A sentença é da última sexta-feira (27) e foi publicada na edição desta segunda-feira do Diário Oficial do Judiciário.

O magistrado considerou que, segundo as provas analisadas nos autos, "não restou configurada a intenção de matar por parte dos réus". Com isso, o processo contra Tadeu Assad Farelli Ferreira, Willian Bonfim Nobre Freitas (conhecido como "Capi"), Fellipe de Melo Santos ("Geminha"), Edson Luis dos Santos Junior ("Flim") e Rafael Zanini Maiolino será distribuído para uma vara criminal comum, a quem caberá analisar a denúncia e as provas.

"Vem a talho, mais uma vez, realçar que a visão sobre a tipicidade que define a competência do Tribunal do Júri deve incidir em razão da atividade final humana e não um comportamento simplesmente causal. Por outro lado, o resultado, isoladamente, não pode se prestar como o elemento de definição da classificação jurídica", afirmou Kieling.

"Ademais, nem todo o resultado morte induz a caracterização de um homicídio doloso. Nem sempre a gravidade das lesões é geratriz de caracterização de delito de homicídio", completou o magistrado.

Na sentença, o juiz da 3ª Vara Criminal determinou ainda a revogação da prisão preventiva do réu Rafael Zanini --na ocasião, ele impediu que um amigo da vítima interferisse nas agressões.

Em relação aos acusados Tadeu, Willian, Fellipe e Edson Luis, foi convertida a prisão preventiva em medidas alternativas, tais como a proibição de "qualquer contato ou aproximação física com a vítima e seus familiares" e o comparecimento em juízo sempre no dia 30 de cada mês.

Além disso, os réus em questão ficam proibidos de sair do Estado do Rio de Janeiro sem prévia autorização judicial e são obrigados a recolhimento domiciliar diário, inclusive aos finais de semana, no período compreendido entre às 20h e 6h, exceto em casos de emergência médica ou nos demais casos autorizados previamente pela Justiça.

Os advogados do estudante Vitor Suarez Cunha ainda podem recorrer da sentença. A defesa da vítima não foi localizada para comentar a decisão da 3ª Vara Criminal.

Entenda o caso

O crime ocorreu na madrugada do dia 2 de fevereiro, na praça Jerusalém, no Jardim Guanabara. Cunha, que é estudante de desenho industrial, estava com um amigo, identificado como Kleber, quando viu o grupo bater em um morador de rua. Ao correr para defender o homem, acabou sendo agredido também.

O estudante passou por uma complexa cirurgia para reconstrução da face e recebeu 63 pinos de titânio, 8 placas e uma tela para consolidar as fraturas provocadas por socos e chutes.

Os cinco agressores foram denunciados pelo Ministério Público por tentativa de homicídio qualificado por motivo torpe, tortura ou meio insidioso ou cruel e, também, por utilizarem recurso que impossibilitou a defesa da vítima. A pena para homicídio qualificado pode variar de 12 a 30 anos de prisão, mas, por ser tentativa, pode reduzir para até 2/3.

Segundo as promotoras de Justiça Christiane Barbosa Monnerat e Andrea Rodrigues Amin, autoras da denúncia, os jovem agiram contra Vitor de forma cruel e com objetivo de matá-lo. Os socos e os chutes, que atingiram o corpo e a cabeça do estudante, conforme elas justificaram, foram desferidos muitas vezes e de forma repetitiva.

MIDIAS POLÊMICAS

Propaganda de camisinha que incentiva violência contra mulher causa polêmica no Facebook

Felipe Martins
Do UOL, no Rio


  • Reprodução

    O viral do preservativo da marca Prudence, que gerou centenas de críticas negativas no Facebook e foi excluído pelo fabricante com pedido de desculpas

    O viral do preservativo da marca Prudence, que gerou centenas de críticas negativas no Facebook e foi excluído pelo fabricante com pedido de desculpas

Uma peça publicitária da marca de preservativos Prudence vem causando grande polêmica nas redes sociais desde a sua postagem há três semanas no Facebook. Em formato de tabela calórica, o viral intitulado "Dieta do Sexo" diz que tirar a roupa de uma mulher queima 10 calorias, enquanto fazer o mesmo sem o consentimento da parceira consome 190 calorias.

A maior parte dos mais de 1.000 internautas que postaram comentários na página da Prudence do Facebook interpretaram o viral como um incentivo à violência sexual contra a mulher. Até a manhã desta segunda-feira (30), a peça publicitária já havia sido compartilhada por mais de 2.500 pessoas.

Após toda a polêmica, a DKT Internacional, detentora da marca Prudence, retirou a peça publicitária da página no Facebook e pediu desculpas aos consumidores. Apesar disso, o Conselho Nacional de Autorregulação Publicitária (Conar) informou ao UOL que já abriu um processo ético contra propaganda.

“Nunca mais compro, nunca mais uso”, comentava uma das internautas enquanto a peça estava no ar. “Me sinto enojado, mais que isso, enquanto homem que tem mãe, irmã e queridas amigas e que sonha com uma sociedade mais igualitária”, dizia outra pessoa. “Propaganda ridícula. Boicote a marca já. Sexo sem consentimento é estupro” era outro comentário encontrado na página.

Para a minoria das pessoas que postaram opiniões, tudo não passava de “brincadeira”. “Estuprador não usa camisinha”, afirmava um internauta. Para outro, não se tratava de apologia, nem de brincadeira; apenas publicidade: "Técnica manjada de criar polêmica para vender mais. E pior que dá certo".

"Retrocesso"

Para a superintendente de Direitos das Mulheres da Secretaria de Estado de Assistência Social e Direitos Humanos (RJ), Ângela Fontes, a peça publicitária incentiva a violência sexual contra a mulher. Para Fontes, a peça publicitária da Prudence é um “retrocesso’.

"Certamente há um incentivo explícito para o uso da violência contra a mulher no momento da relação sexual. A peça publicitária é um retrocesso no que diz respeito ao comportamento dos homens em suas relações afetivas. Relação sexual sem o consentimento da mulher é estupro. A associação de atos violentos ao suposto "benefício para a saúde masculina" nos causa indignação. Desta forma, a Superintendência dos Direitos das Mulheres se manifesta veementemente contra a indução de todas as formas de violência, e neste caso, em especial, a violência sexual contra as mulheres", disse Ângel a Fontes, também presidenta do Conselho Estadual de Direitos da Mulher (CEDIM).

Coordenadora da ONG Cepia, que atua em defesa dos direitos humanos da mulher, a advogada Leila Linhares achou a peça “lamentável”. “Isso [a propaganda] é uma indução para que haja uma violência sexual. É a mulher perdendo a autonomia se quer decidir sobre o ato sexual e o incentivo à pratica de violência sexual. Uma fábrica de preservativos deveria fazer propaganda mais instrutiva”, declarou.

A advogada declarou ainda que espera atitude contra a peça publicitária. “É lamentável que no momento em que as mulheres estão galgando sua cidadania, sendo reconhecidas pela capacidade profissional, seja veiculada uma propaganda como essa”, concluiu.

“Mau gosto”

Com atuação em casos de violência contra a mulher, o promotor de Justiça Sauvei Lai acredita que os criadores da campanha da Prudence não agiram com a intenção de fazer apologia ao estupro, mas acabaram criando uma peça publicitária de mau gosto. “Esses publicitários menosprezaram um fato gravíssimo na sociedade brasileira que é a violência sexual contra a mulher, que muitas vezes acontece dentro da própria casa cometido por maridos, tios, padrastos. Não dá para dizer que é um crime de apologia porque não foi essa a intenção dos criadores da propaganda, mas foi sem dúvida uma brincadeira de muito mau gosto”, declarou.

Outro lado

Procurada pela reportagem do UOL, a DKT Internacional, detentora da marca Prudence, informou que o conteúdo da peça divulgada não é de autoria da empresa e vem sendo publicado de forma viral desde 2007. Segundo a nota, a companhia apenas utilizou o material propagado e desenvolveu a arte, veiculando-a no Facebook.

"Apesar de não ser a criadora do texto, a DKT afirma não se isentar da responsabilidade de avaliar os conteúdos publicados em sua página na rede social, e por isso lamenta a não percepção de possíveis ofensas originadas pelo material", diz a empresa.

Ainda de acordo com a nota, a intenção da peça era remeter a uma “brincadeira entre casais”, retratando uma “insistência inofensiva do parceiro” sem qualquer alusão a qualquer forma de violência. A DKT disse não ter percebido, “lamentavelmente”, a dupla interpretação que o anúncio poderia conter.

NOVA CONVOCAÇÃO

Ramires e Paulinho voltam à seleção e se juntam a olímpicos em amistoso na Suécia

Do UOL, em São Paulo*


  • Ricardo Nogueira/Folhapres

    Volante Ramires, do Chelsea, volta à seleção brasileira para jogo contra a Suécia

    Volante Ramires, do Chelsea, volta à seleção brasileira para jogo contra a Suécia

A Confederação Brasileira de Futebol divulgou nesta segunda-feira a lista dos atletas convocados pelo técnico Mano Menezes para o amistoso contra a Suécia no dia 15 de agosto, em Estocolmo. Da equipe que disputa a Olimpíada de Londres, apenas o lateral-esquerdo Marcelo, suspenso, foi excluído da lista.

As novidades ficam por conta das inclusões de Daniel Alves, do Barcelona, Dedé, do Vasco, Jonas, do Valência, Paulinho, do Corinthians, e Ramires, do Chelsea. Terceiro goleiro em Londres, Renan Ribeiro do Atlético-MG também está na lista.

Mais tarde, a CBF informou que o zagueiro David Luiz, do Chelsea, também está convocado, mas seu nome não apareceu no site por conta de um erro.

"Estamos em meio a uma competição e é importante que não haja interferência nesse processo. A convocação está sendo feita agora devido ao regulamento da Fifa", disse o treinador ao site da CBF.

O Brasil enfrenta a Suécia em amistoso que marcará a despedida do estádio Rasunda, palco da final da Copa do Mundo de 1958, que será demolido. Pelé dará o pontapé inicial e uma homenagem a Djalma Santos, Zito, Dino Sani, Pepe e Zagallo, também campeões mundiais naquele ano, está prevista para antes da partida.

*atualizada às 12h41

VEJA A LISTA DOS CONVOCADOS

Goleiros

Neto (Fiorentina)
Renan Ribeiro (Atlético-MG)
Gabriel (Milan)
Laterais

Daniel Alves (Barcelona)
Rafael (Manchester)
Danilo (Porto)
Alex Sandro (Porto)

Zagueiros

Thiago Silva (PSG)
David Luiz (Chelsea)
Juan (Inter de Milão)
Bruno Uvini (São Paulo)
Dedé (Vasco)

Volantes

Paulinho (Corinthians)
Rômulo (Spartak Moscou)
Sandro (Tottenham)
Ramires (Chelsea)
Meias

Oscar (Chelsea)
Ganso (Santos)
Lucas (São Paulo)
Atacantes

Jonas (Valencia)
Neymar (Santos)
Pato (Milan)
Leandro Damião (Internacional)
Hulk (Porto)

Seleção brasileira

BANDO DE SAFADOS...

Bancos "escondem" pacotes gratuitos de seus clientes, diz Idec; empresas negam

Do UOL, em São Paulo

Os bancos ainda dificultam a contratação de pacotes de serviços grátis pelos seus clientes. A conclusão é de um levantamento feito pelo Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) com os seis maiores bancos que atuam no país. Os bancos negam.

Desde 2008 os bancos precisam, obrigatoriamente, oferecer o pacote gratuito. Esse pacote foi estabelecido pelo Banco Central e inclui os seguintes serviços gratuitos mensais: quatro saques (no caixa do banco ou nos caixas eletrônicos), duas transferências entre contas do mesmo banco, dois extratos do mês anterior, um extrato anual e dez folhas de cheque.

O Idec fez a pesquisa em agências do Banco do Brasil, Bradesco, Caixa Econômica Federal, HSBC, Itaú e Santander.

Os pesquisadores pediram que suas contas correntes fossem alteradas para contas de serviços essenciais. Alguns funcionários, segundo o instituto, não tinham conhecimento desse direito e outros se negaram a fazer a conversão.

Os bancos creditam o resultado do teste a "falhas pontuais".

Atendente negou existência da conta gratuita

Segundo o Idec, no HSBC, o atendente negou que a conta gratuita existisse. Ele confundiu os serviços essenciais com o pacote padronizado (que reúne uma quantidade maior de serviços e deve ser oferecido também por todos os bancos, mas é cobrado). Por fim, alterou a conta do pesquisador para o pacote padronizado, que custa R$ 13,50 no HSBC.

O Banco do Brasil também não realizou a mudança. Embora tenha admitido a existência do pacote de serviços essenciais, alegou que o tipo de conta do pesquisador impedia que o "sistema" realizasse a conversão.

Bradesco e Santander fizeram a conversão da conta. Antes, porém, tentaram persuadir o pesquisador a continuar com o pacote de serviços contratado.

Apenas nas agências da Caixa Econômica Federal e do Itaú os pesquisadores não encontraram empecilhos para fazer a mudança.

HSBC diz que dá orientações aos gerentes

Em nota, o HSBC informa que "orienta seus gerentes a apresentarem ao cliente a relação de pacotes de serviços disponíveis, inclusive a opção pelos serviços essenciais livres de tarifação". Segundo o banco, informações prestadas incorretamente são resultado de falhas pontuais.

Também por meio de nota, o Bradesco diz que cumpre as regras do Banco Central, "tentando sempre oferecer o produto ou serviço mais adequado ao perfil de cada cliente".

Já o Santander diz que "o funcionário apresentou ao cliente opções de acordo com seu perfil, e por fim, atendeu ao pedido" dele.

O Banco do Brasil divulgou nota dizendo que os atendentes "são instruídos a orientar o cliente com relação às diferenças entre os diversos pacotes de serviços, de maneira a atender às necessidades de cada um" e que o banco "oferece a possibilidade de optar pela utilização dos serviços essenciais ou a aderir a outro tipo de pacote de serviços, inclusive ao padronizado".

Caixa e Itaú dizem que oferecem aos consumidores pacotes que mais se adequam ao seu perfil de relacionamento com o banco.

OI, OI, OI...

É ASSIM QUE É...

FACEBOOK KILLER´S

Weibo. Pontos fortes: é o Twitter da China. O Weibo conta com celebridades do país como o jogador (mito!) Obina. O que falta para superar o Facebook: antes de ultrapassar o Facebook, precisa desbancar o QZone (o primeiro na China) Reprodução

EXTRAIDO DO SITE URURAU

Perdoar pode evitar doenças do coração, diz estudo

Divulgação

Pessoas que deixam a raiva de lado são menos propensas a terem mudanças na pressão arterial

Pessoas que deixam a raiva de lado são menos propensas a terem mudanças na pressão arterial

mais menos

Dizem que errar é humano, perdoar é divino. Uma nova pesquisa revelou que quando a pessoa desculpa o que a deixou magoada pode melhorar as condições de sua saúde. As informações são do jornal inglês Daily Mail.


Pesquisadores da Universidade da Califórnia, em San Diego, descobriram que as pessoas que deixam a raiva de lado são menos propensas a terem mudanças na pressão arterial. Eles pediram para que pouco mais de 200 voluntários pensassem em um momento em que um amigo tinha ofendido e metade do grupo foi orientado a pensar sobre essas pessoas que tinham enfurecido eles. Já a outra metade foi encorajada a perdoar o acontecimento.


Todos foram distraídos por cinco minutos depois que pensaram sobre o assunto e, em seguida, os participantes foram conectados a monitores que analisavam a pressão arterial e faziam leituras do ritmo cardíaco. A equipe viu que o grupo mais irritado teve maior aumento da pressão arterial em comparação ao grupo dos que perdoaram. No entanto, não houve diferença na frequência cardíaca.


Os autores disseram que, embora fosse um pequeno estudo, a pesquisa publicada no Journal of Biobehavioural Medicines sugeriu que o perdão poderia ter menor reatividade a eventos estressantes e menos impacto físico.


A curto prazo, aumento na pressão sanguínea é conhecido como prejudicial. No entanto, ao longo de um período, já considerado hipertensão, isso aumenta o risco de ataque cardíaco ou derrame. Cerca de 30% dos adultos do Reino Unido têm hipertensão, embora muitos não tenham conhecimento dos sintomas evidentes.