SEJAM BEM VINDOS AO MEU BLOG, O OBJETIVO É FALAR DAS EXPERIÊNCIAS QUE TENHO AO LONGO DOS MEUS DIAS, AQUI SABERÃO UM POUCO DE MIM, DO QUE PENSO E DO QUE ACHO QUE SEI, BOA LEITURA E DIVERSÃO.

sexta-feira, 28 de junho de 2013

PORTA DOS FUNDOS:


É NO DOMINGO:


CORUJA:


EXTRAIDO DO RAPNACIONAL.COM.BR

Sábado (06) tem show de lançamento do disco “Contra Nós Ninguém Será” do Edi Rock em SP

Postado por em 28 de junho de 2013 ás 2:26
No sábado (06) acontece o show oficial de lançamento do disco “Contra Nós Ninguém Será” do Edi Rock, no Espaço Vila Marquês- Barra Funda- São Paulo, á partir das 23h.
Neste evento a voz forte da norte irá apresentar ao público as músicas de seu disco solo, que tem as participações especiais de grandes nomes da musica brasileira. Sendo assim, o show reserva alguns convidado especiais e muitas surpresas.
Atenção que os ingressos antecipados, com o valor promocional, já estão à venda pelo site Ticket Brasil  e pra confirmar presença e acompanhar tudo até o dia do show acesse a página do evento no facebook .

7768_10151461408786643_128878791_n
Serviço:
Show de lançamento “Contra Nós Ninguém Será”
Quando: 06/07/2013
Horário: 23h
Local: Av. Marques de São Vicente, 1589-Pompéia-SP
Faixa etária: Maiores de 18 anos
Ingressos: à partir de 40,00

CONVITE:


CONVITE:


OWLLLLLLLLLL!!!!!!!!!!!!


PARA RIR....


PROTESTOS:





CONTRA A PEC 33 >>>>


CONVITE:


CONVITE:


EXTRAIDO DO BLOG - TE DOU UM DADO:

De que adianta ser um atleta bem sucedido, bicampeão mundial e dono de mais 20 medalhas de ouro...
Untitled 115 Perguntinha do dia
...se nas horas vagas você fica mendigando parabéns de webcelebridade? Se valoriza, amigo! Você não precisa disso.



O que houve na Fazenda foi o seguinte: o Mateus Pentelho começou a xavecar a Barbara Evans durante a festa de ontem, o namorado da Barbara viu e começou a dar piti. Monicão, que não deixa passar UMA PULGA de comentário sobre a filha, fez uma enxurrada de tweets hoje. Aqui:
(print do EGO)
barbara.jpg Paga eu
Sobre a Barbara eu não vou dar um PIO porque morro de medo da Monicão vir puxar meu pé de noite.
Mas sobre esse moço: tem dois milhões assim pra dar pra nega que cê conheceu EM MAIO? Dá pra mim 50% disso, querido. PRO-ME-TO que não vou pra Fazenda. Me liga!

EXTRAIDO DO KIBELOCO:

  • Enquanto isso no protesto no bairro de Santa Cruz (RN)…
    E ATENÇÃO! Imagem inadequada para menores de 18 anos. Aliás, para menores de 87.

    Quem mandou acordar o gigante?!
    Enviada pelo Yuri Ale.

EXTRAIDO DO BLOG DO XICO SÁ:

Doze músicas brasileiras de protesto

E o gênio que Irará deu ao mundo acaba de lançar uma música de protesto no compasso das manifestações das ruas. “Povo Novo” é o nome dela.
Tom Zé, com a colaboração da rede e de amigos, diz na sua trilha:
“Olha menino, que a direita/ Já se azeita,/ Querendo entrar na receita, mas/ De gororoba, nunca mais/ Já me deu azia, me deu gastura/ Essa politicaradura/ Dura, / Que rapadura!”
Você pode ouvir a música no site oficial do cantor e compositor.
Este cronista callejeiro vai na mesma pisada e relembra uma dúzia de hinos de contestação. É só clicar no título da canção para ouví-la:
“Carcará” – João do Vale. Talvez a mais forte de todos os tempos. Pega, mata e come! Veja aqui o vídeo.
2) “Cálice” – De Chico Buarque & Gilberto Gil, com Chico Buarque & Milton Nascimento. Recentemente o rapper Criolo fez uma versão que atualiza a letra para o drama social das periferias.
4) “É proibido proibir” – Caetano Veloso. Feita no período da Ditadura, cairia muito bem em tempos de “padrão Fifa”.
5) “Aquele abraço” – Gilberto Gil. Chacrinha continua balançando a pança…
6) “Vozes da Seca” – Luiz Gonzaga. Uma esmola para um homem que é são ou lhe mata de vergonha ou vicia o cidadão.
7) “O pequeno burguês” – Martinho da Vila. Vestibular, passei no vestibular…
8) “Todos os olhos” – Tom Zé. Esse poderia emplacar o LP inteiro.
9) “Deixe esse vergonha de lado” –Odair José. Um hino da luta de classes em louvor das empregadas domésticas.
10) “A cidade” – Chico Science & Nação Zumbi. “O sol nasce e ilumina as pedras evoluídas/Que cresceram com a força de pedreiros suicidas. Perfeita para o debate sobre a especulação imobiliária que ataca o Recife.
11) “Diario de um detento” – Racionais MC´s. O grupo firmou a nova música de protesto nos anos 90. Histórico.
12) “Pânico em SP”, -Inocentes. O punk-rock paulista poderia emplacar também umas dez do Cólera. “Passeata” seria uma delas.
Quem faz lista sempre peca e ajoelha no milho da omissão.De cara já senti falta de um Edu Lobo, de um Oliveira de Panelas, de um Emicida, de um Mundo Livre S/A, de um Belchior, de um Fagner, vixe, está faltando muita coisa nesta bodega de muita conversa e pouco sortimento.
Do que você sentiu falta, caros leitores? Ajude a inteirar a seleção aí nos comentários.

EXTRAIDO DO BLOG DO SAKAMOTO³:

Quero um plebiscito para definir o valor do salário dos políticos

Leonardo Sakamoto

Plebiscito é uma ferramenta legal. Desde que usada em prol da dignidade e não contra ela.
Porque, em uma democracia de verdade, é respeitada a vontade da maioria, preservando-se a dignidade das minorias. Ou seja, adotar simplesmente o que a massa quer não significa viver em um país decente. Seja pelo conservadorismo da população, seja pelo fato de que, quanto mais hipercodificado permanecer o assunto, mais fácil será manipular o cidadão.
Se nos orientássemos pela vontade da maioria, gays e lésbicas nunca teriam conquistado o direito a se casar. Jovens com 16 e até 14 anos seriam mandados para a cadeia ao cometer crime. E, dependendo da pesquisa de opinião, nem o direito ao aborto legal, em caso de risco de vida da mãe ou estupro, existiria.
Ao mesmo tempo, até uma estrelinha-do-mar com graves problemas de cognição saca que os contrários à ampliação do direito ao aborto e à legalização da eutanásia são os primeiros a querer levar essas pautas a plebiscito. Sabem que gostamos de tiranizar o útero alheio e que sofrimento no olhos dos outros é refresco e, portanto, seriam maioria. Salve, salve, salve a força da mitologia cristã!
Dito isso, que não é recomendável que absolutamente tudo vá ao escrutínio da massa, o uso do plebiscito também demanda um trabalho prévio de conscientização, em que o cidadão saiba realmente o que está sendo decidido e as implicações de sua decisão. O problema é que discursos vazios, cosmeticamente embalados pelos competentes colegas da propaganda, instalam-se facilmente em corações e mentes. Martelados nos intervalos da novela das 21h, acabam por encontrar ninho e por lá ficar. Da mesma forma, apresentadores sensacionalistas que rosnam na TV, empurram o povo para o lado sombrio da força, usando um discurso do medo.
E nem sempre uma curta campanha de informação é suficiente para explicar todas facetas de determinado assunto polêmico. Tive vontade de chorar ao ouvir “especialistas” explicando o que é voto distrital, distrital misto e proporciona, nesses dias, no rádio. Pai, perdoai, eles não sabem o que dizem.
O ideal seria que todos nós tivéssemos, ao longo da vida, acesso à formação e informação de qualidade para tomadas de decisão. Contudo, na falta disso, seria necessário um tempo razoável para discutir com a população temas cabeludos como sistema eleitoral, financiamento de campanha, coligações – coisa que o poder público não parece muito interessado em conceder. Há parlamentares que defendem que 60 míseros dias são suficientes para esclarecer a pauta. Ahã, Claudia, senta lá… Estamos falando de uma reforma política, não de pedir um sundae de morango no drive thru.
Espero que eu esteja enganado porém, do jeito que a coisa está se desenhando, será um show de horrores. Não, não acho o povo incapaz de escolher com sabedoria. Mas são assuntos complexos. Se com o debate do plebiscito sobre o desarmamento, que era simples, já foi vítima de bala perdida, imagina então colocando em pauta assuntos que nem os políticos sabem explicar direito?
Tenho fé, é claro, que através da tecnologia e do aumento do interesse da sociedade sobre os destinos de seu país, conseguiremos desenvolver outros mecanismos de participação para além do plebiscito. Lembrando que democracia direta não é algo que se ganha de uma hora para outra, empacotada e pronta para consumo, mas é discutida, conquista e construída.
E se a reforma política sair mesmo via consulta popular, tenho uma lista de outras propostas muito mais simples que poderiam ser postas em votação. Sei que da mesma forma que é difícil imaginar políticos que topem abrir mão de uma estrutura que hoje os beneficia, também seria autoengano achar que eles seriam capazes de contrariar poderosos, grandes empresas e outros doadores de campanha. Mas só o debate já seria lindo.
Você é favor que o teto do salario de um vereador seja o mesmo de um professor da rede pública?
Você é a favor de mudanças na lei para impedir a reintegração de posse de terrenos ocupados por famílias que não possuem absolutamente nada sem que, antes, seja garantida uma alternativa de moradia decente a elas?
Você é a favor do fim da cela especial para quem tem curso superior?
Você é a favor de que propriedades rurais que, ilegalmente, ocupam territórios indígenas sejam devolvidas aos povos que as reivindicam?
Você concorda que fazendas que utilizem trabalho escravo sejam confiscadas sem direito à indenização e destinadas aos mais pobres?
Você é a favor de que juízes sejam expulsos do serviço público, perdendo o direito aos seus vencimentos, em vez de receberem aposentadoria compulsória quando punidos por algum malfeito?
Você é a favor de veicularem o último episódio da Caverna do Dragão?
Você é a favor de que exista um limite máximo permitido para o tamanho de uma propriedade rural?
Você é a favor do fechamento das empresas que foram envolvidas por seus diretores em casos de corrupção?
Você é a favor da redução da jornada de trabalho para 40 horas semanais sem redução de remuneração?
Você é a favor de sobretaxar grandes fortunas?
Você é a favor do fim da Polícia Militar no Brasil?

EXTRAIDO DO BLOG DO SAKAMOTO²:

Crianças catam sururu que abastece restaurantes em Recife

Leonardo Sakamoto

A pesca do sururu é uma das principais atividades econômicas das comunidades ribeirinhas da área urbana de Recife. E, há décadas, os moradores desses locais começam desde criança a exercer esse tipo de trabalho, normalmente acompanhando os pais, que, por sua vez, não têm condições financeiras de sustentar a família sozinhos. Como acontece em muitos outros casos, na coleta desse molusco o trabalho infantil torna-se tão banal que não choca mais. 
“Vendemos a seis, cinco reais o quilo. Agora está mais barato. Tem que trabalhar mais”, diz o adolescente de 15 anos, que usa parte do que recebe para comprar roupas e deixa o resto em casa, onde vive com a mãe e duas irmãs, de 12 e sete anos. A matéria é de Igor Ojeda, da Repórter Brasil, que já havia produzido uma boa reportagem sobre as crianças catadoras de caranguejo de João Pessoa:
Normalmente é assim. Os ribeirinhos da bacia do Pina, no Recife, saem para pescar o sururu ainda na barriga da mãe. Quem brinca é Ronaldo, morador da comunidade Ilha de Deus, enquanto está na superfície despejando o molusco numa galeia – em seguida, submerge novamente. A brincadeira, no entanto, tem o seu fundo de verdade, como diz o ditado. Hoje com 20 anos, o rapaz começou no ofício aos cinco. Espécie de marisco pequeno, a iguaria é muito comum em mercados, feiras, bares e restaurantes da capital pernambucana. Em geral, é preparada com leite de coco – quando ganha um sabor adocicado – e servida com farinha de mandioca e limão. Seu caldinho, apreciado tanto em restaurantes “finos” quanto em quiosques de praia, é considerado afrodisíaco. “Desde que nasci trabalho com o sururu. Com cinco anos já estava na maré. Chegava a faltar na aula para ir pescar”, conta Ronaldo, que parou de estudar no sexto ano do ensino fundamental.
Quando este mergulha para pegar mais sururu, quem fala é Gustavo*, parceiro de pescaria. Sentado na beira da canoa já repleta de bacias com o molusco, ele mexe freneticamente as pernas, de forma alternada, dentro da galeia – espécie de caixote – mergulhada na água lodosa. “Estou lavando o sururu”, explica o garoto, de 15 anos. O movimento repetitivo não é o único desconforto. O contato com a casca fina do marisco causa inúmeras feridas na sola de seu pé. “Não tem jeito, paciência, tem de fazer isso. As feridas a gente lava na maré, que a maré faz sarar.”
Ronaldo volta à superfície e despeja os sururus na galeia para Gustavo lavá-los (Fotos: Igor Ojeda)
Estamos nas proximidades das pontes Governador Paulo Guerra e Engenheiro Antônio de Góes – que ligam a Zona Sul ao Centro e à Zona Norte do Recife –, no meio da bacia do Pina, ecossistema situado em plena área urbana, na parte interna do porto da capital pernambucana, formado pela confluência dos rios Capibaribe, Tejipió, Jordão e Pina. Da Ilha de Deus, Gustavo e Ronaldo remaram bons minutos até um banco de lodo onde era possível pescar o sururu. Em uma das margens, pode-se avistar as casas de alvenaria da comunidade Brasília Teimosa, antiga favela de palafitas que se tornou famosa nacionalmente depois da visita do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva apenas uma semana após sua posse, em janeiro de 2003. No lado oposto, destacam-se edifícios de alto padrão.
Trabalho infantil - A pesca do sururu é uma das principais atividades econômicas das comunidades ribeirinhas dessa área, todas formadas há décadas. E, há décadas, os moradores desses locais começam desde criança a exercer esse tipo de trabalho, normalmente acompanhando os pais, que, por sua vez, não têm condições financeiras de sustentar a família sozinhos. Como acontece em muitos outros casos, na coleta desse molusco o trabalho infantil é naturalizado.
É a maré que determina que horas Gustavo e Ronaldo começam a trabalhar. Tem dias que eles saem às quatro da manhã. Outros, às sete. Os ribeirinhos gostam de aproveitar as marés baixas, pois desse modo o sururu fica mais próximo da superfície. Há vezes, porém, em que é preciso descer a cinco metros de profundidade, sob o risco de faltar fôlego e sentir câimbras. “Já salvei tanto criança quanto gente grande de se afogar”, conta Gustavo. Em geral, dependendo do rendimento, os dois amigos ficam de duas a quatro horas pescando o molusco. Assim que voltam para casa, eles o cozinham e pagam alguém da própria comunidade para catá-lo. “Catar” o sururu significa, na verdade, abri-lo um a um e retirar sua carne. O trabalho, igualmente muitas vezes realizado por crianças, é extremamente desgastante e pode causar feridas nas mãos por conta da casca afiada do pequeno marisco.
Gustavo e Ronaldo costumam vender o produto “final” no Mercado São José, o mercado municipal da cidade. “Vendemos a seis, cinco reais o quilo. Agora está mais barato. Tem que trabalhar mais”, diz o adolescente de 15 anos, que usa parte do que recebe para comprar roupas e deixa o resto em casa, onde vive com a mãe e duas irmãs, de 12 e sete anos. “Com o que ganhamos, dá pelo menos para sobreviver.” Para seguir trabalhando, Gustavo abandonou a escola ainda mais cedo que Ronaldo, na quinta série. Mas não é o que quer fazer a vida toda. “Ainda sou adolescente. Quando crescer quero arrumar um serviço melhor. Quero ser jogador de futebol do Sport”, revela o torcedor fanático do time pernambucano.
Decreto Presidencial 6.481, de 2008, inclui tanto a coleta de mariscos quanto as atividades em mangues e lamaçais ou que envolvam mergulhos na lista de piores formas de trabalho infantil. De acordo com o documento, além das intempéries climáticas, as crianças e adolescentes que pescam sururu estão expostas a “posturas inadequadas e movimentos repetitivos; acidentes com instrumentos pérfuro-cortantes; horário flutuante, como as marés; águas profundas”. Como resultado, podem sofrer queimaduras na pele, envelhecimento precoce, câncer de pele, desitratação, doenças respiratórias, fadiga, dores musculares nos membros e na coluna, ferimentos, distúrbios do sono e afogamento.
Já meninos e meninas obrigadas a mergulhar em suas atividades laborais, como é o caso da coleta de mariscos, correm o risco de se afogar, terem a membrana do tímpano perfurada e sofrerem de uma série de enfermidades, como embolia gasosa, otite, sinusite e labirintite. O trabalho em mangues e lamaçais, por sua vez, expõe crianças e adolescentes com menos de 18 anos à umidade, cortes e perfurações e contatos com excrementos, situações que podem resultar em rinites, bronquites, dermatites e leptospiroses, entre outras doenças.
Contraste - Quem “guia” a reportagem é Daiane. Moradora da Ilha de Deus, ela também costumava pescar sururu, “ofício” que igualmente começou a exercer desde pequena. Hoje, aos 20 anos, faz trabalhos de manicure e de diarista e pretende fazer faculdade de engenharia num futuro próximo. “Normalmente, quem vai para a maré é o homem, enquanto a mulher fica na cata, muitas vezes com a ajuda dos filhos. Mas, quando não tem homem, vai a mulher mesmo”, explica. Há alguns anos, quando ainda era adolescente, a jovem participou de uma ação do Centro Dom Helder Camara de Estudos e Ação Social (Cendhec) contra o trabalho infantil na sua comunidade. O resultado, segundo ela, foi muito bom. “Diminuiu a incidência de trabalho infantil na pesca do sururu na Ilha de Deus.” Nos últimos dois anos, além disso, a região foi urbanizada pela Prefeitura do Recife, política que fez melhorar as condições de moradia da população local.
Melhorias que ainda não chegaram para a população ribeirinha do Pina. Na “entrada” da comunidade, no entanto, a realidade é um tanto distinta. Inaugurado em outubro do ano passado, o RioMar Shopping destoa na paisagem. Terceiro maior centro de compras do Brasil, atrás do Shopping Leste Aricanduva, de São Paulo, e do Salvador Shopping, o estabelecimento é destinado em parte ao consumo de alto luxo, com lojas como Hugo Boss, Chanel Fragrance & Beauté, Daslu, e Diesel. Partindo do ponto de encontro no RioMar, conforme Daiane e a reportagem caminham em direção aos manguezais, as casas simples de alvenaria vão dando lugar a apertadas construções de madeiras, e ruas asfaltadas tornam-se ruelas e becos de terra. Espalhadas pelo chão, bacias cheias de sururu. Sob um telhado de zinco, uma mulher descasca o molusco.
Numa dessas moradias precárias, vive, com a família, Mariana*. “Pego sururu desde os dez anos, para ajudar minha mãe”, diz a garota, hoje com 14 anos. Ela costuma ir com o marido de uma das irmãs e um vizinho, ambos adultos. A tarefa é alternada: às vezes fica incumbida de lavar o marisco pescado na galeia, o que causa feridas nos pés. Outras vezes, ela própria mergulha para buscá-lo. “A água bate no peito”, conta. Por causa do trabalho, a menina parou de estudar na quarta-série. Não chegou a aprender a ler e escrever.
Para ajudar a mãe, Mariana pesca sururu desde os dez anos de idade
Palafitas - Acompanhada de Daiane e da reportagem, Mariana sobe em uma das canoas ancoradas na beira do mangue e começa a remá-la em direção ao mar, distante alguns quilômetros – no meio do caminho, alguns minutos depois, encontraríamos Gustavo e Ronaldo. Do barco, a visão é ainda mais impressionante. Inúmeras palafitas avançam sobre o rio. Sacos de lixo e entulhos de todo o tipo, e ratos correndo na borda ou até dentro da água compõem a paisagem. Após alguns minutos, o RioMar Shopping surge imponente ao fundo. Mariana liga o motor. “Quando eu pescava, era só no remo. Agora alguns barcos têm motor. O pessoal pagar uns R$ 500 para um morador construir a canoa. O motor custa uns R$ 150”, explica Daiane.
A primeira parada é na Ilha de Deus, onde várias mulheres e algumas meninas estão sentadas catando o sururu. Uma delas é Edlene Maria Alves da Silva, de 45 anos. “Cheguei novinha aqui. E desde que cheguei, trabalho com o sururu. Antes só pescava, depois comecei mais a catar. Mas ainda pesco.” Segundo ela, está cada vez mais difícil sobreviver com a venda do molusco. “Está chovendo muito. O braço de mar aqui é fraco. Quando chove dois, três dias, o sururu morre, porque a água fica salobra, e ele vive mais na água salgada”, lamenta.
A auditora-fiscal Paula Neves, coordenadora do Projeto de Combate ao Trabalho Infantil da Superintendência Regional do Trabalho e Emprego (SRTE), lembra que no Recife as crianças e adolescentes não ficam restritas à pesca e à cata do sururu. Muitas o vendem nas praias da cidade. A comercialização de alimentos e outros produtos na orla da capital pernambucana é uma das atividades com maior incidência de trabalho infantil. “Os meninos que trabalham na praia normalmente param de estudar na oitava série. Muitos deles dizem que trabalhando por três ou quatro dias por semana ganham mais do que o pai”, diz Paula.
xxxxxxxxxxx
Menina da comunidade Ilha de Deus cata sururu: risco de ferimentos
Os nomes alterados para preservar a identidade dos entrevistados.

EXTRAIDO DO BLOG DO SAKAMOTO:

Comissão do Senado aprova confisco de propriedades flagradas com escravos

Leonardo Sakamoto

A “PEC do Trabalho Escravo”, proposta de emenda constitucional que prevê o confisco de propriedades flagradas com esse crime e sua destinação à reforma agrária e ao uso social urbano, foi aprovada por unanimidade na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado Federal na manhã desta quinta (27). A aprovação ocorre em meio às manifestações de rua que se espalharam pelo país e pressionaram o Congresso Nacional a avançar em pautas de interesse social que estavam paradas ou em trâmite lento. Parlamentares da bancada ruralista devem tentar alterar o conceito de trabalho escravo para evitar punições.
A votação acompanhou o parecer favorável do relator Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), favorável à PEC 57A/1999. Agora a proposta deve ir a plenário. Se aprovada em dois turnos, passa a vigorar em todo o país. Se receber alterações, volta para a Câmara dos Deputados. A expectativa do governo federal é de que será colocada em votação em breve. “Ao permitir o confisco do imóvel em que houver trabalho escravo, o país dará um sinal inequívoco de que está empenhado em inibir a prática desse tipo de crime que fere, não só as leis trabalhistas, mas, antes de tudo, os direitos humanos”, diz o parecer.
Devido a um acordo entre deputados federais e senadores, uma comissão mista irá esboçar uma proposta de regulamentação apontando como se dará o perdimento de terras, imóveis e benfeitorias. Uma vez aprovada a PEC, o Congresso Nacional votaria essa lei complementar.
Lideranças ruralistas exigiram que a comissão também rediscuta o conceito de trabalho escravo por conta de uma suposta “confusão”. Movimentos, organizações sociais e parlamentares envolvidos com o tema e que acompanharam a votação vêem com preocupação essa demanda. Xavier Plassat, coordenador da campanha de combate ao trabalho escravo da Comissão Pastoral da Terra, afirma que a “confusão” sobre o conceito é uma “falácia” da bancada ruralista para inutilizar não só a PEC, mudando assim a definição do crime, mas o próprio combate à escravidão. Para o senador Pedro Taques (PDT-MT), o conceito já foi alvo de debates na reforma do Código Penal e é sólido. Outro parlamentar que acompanha o tema há tempos no Congresso e foi ouvido pelo blog afirmou que “a impressão é que ruralistas querem que seja punido apenas quem for encontrado com pelourinho, chicote e grilhões, além do recibo de compra do escravo”.
Resgatados da escravidão aguardam pagamento em fazenda no Sul do Pará (Foto Leonardo Sakamoto)
A ministra Maria do Rosário já havia afirmado que o governo federal é contrário a qualquer proposta ou projeto de lei que envolva a possibilidade de rever o conceito de trabalho escravo – como o  projeto de autoria de Moreira Mendes (PSD-RO), que retira as condições degradantes de trabalho e a jornada exaustiva da caracterização de escravidão contemporânea. Os ruralistas e contrários à proposta defendem a aprovação de uma lei que redefina o conceito de trabalho escravo, diminuindo as situações possíveis de caracterizá-lo.
Sobre isso, os favoráveis à PEC e o governo afirmam que não há necessidade disso e que o conceito de trabalho escravo já é claro no artigo 149 do Código Penal, defendendo a aprovação de legislação infraconstitucional apenas para regulamentar a expropriação, garantindo que ela ocorra após decisão judicial transitada em julgado.
De acordo com a lei vigente, são elementos que determinam trabalho escravo: condições degradantes de trabalho (aquelas que excluem o trabalhador de sua dignidade), jornada exaustiva (que impede o trabalhador de se recuperar fisicamente e ter uma vida social – um exemplo são as mais de duas dezenas de pessoas que morreram de tanto cortar cana no interior de São Paulo nos últimos anos), cerceamento de liberdade/trabalho forçado (manter a pessoa no serviço através de fraudes, isolamento geográfico, retenção de documentos, ameaças físicas e psicológicas, espancamentos exemplares e até assassinatos) e servidão por dívida (fazer o trabalhador contrair ilegalmente um débito e prendê-lo a ele).
O artigo 149 do Código Penal, que traz o conceito de trabalho escravo, é de 1940, reformado em 2003 para deixar sua caracterização mais clara. Varas, tribunais e cortes superiores utilizam a definação desse artigo. Recentemente, processos por trabalho escravo contra um senador e um deputado federal foram abertos no Supremo Tribunal Federal com base no 149. Nas falas dos ministros do Supremo, fica clara a compreensão do Judiciário a respeito do que sejam “condições degradantes de trabalho”, uma das características da escravidão contemporânea mais refutadas pelos ruralistas.
No campo, a maior incidência de trabalho escravo contemporâneo está na criação de bovinos, produção de carvão vegetal para siderurgia, produção de pinus, cana-de-açúcar, erva-mate, café, frutas, algodão, grãos, cebola, batata, na extração de recursos minerais e na extração de madeira nativa e látex. Nas cidades, a incidência é maior em oficinas de costura, no comércio, hotéis, bordéis e em serviços domésticos. No campo e na cidade, pipocam casos na construção civil.
Histórico - Aprovada na Câmara dos Deputados em maio do ano passado sob a numeração 438/2001, a proposta voltou para a sua casa de origem por ter sofrido modificações. “Do ponto de vista da constitucionalidade da matéria, não há nada a objetar”, afirma o relatório de Aloysio Nunes Ferreira. “Não há, igualmente, restrições quanto à juridicidade, regimentalidade e técnica legislativa”, afirmou o relator, que propos a aprovação sem alterações.
O parecer também ressalta a importância da aprovação do instrumento, mesmo em face dos mecanismos já existentes de combate ao trabalho análogo ao de escravo pelo viés econômico: “a despeito do cadastro de empregadores flagrados com mão de obra escrava e o engajamento de parte do setor privado no combate ao crime em torno de um pacto empresarial (por meio do compromisso de cortar relações econômicas com escravagistas), são poucos os casos de condenação criminal da Justiça por submeter alguém à escravidão”. E ressalta que “toda propriedade rural ou urbana deve cumprir sua função social e jamais poderá ser utilizada como instrumento de opressão ou submissão de qualquer pessoa”.
A Câmara dos Deputados aprovou no dia 22 de maio do ano passado, em segundo turno, a proposta de emenda constitucional 438/2001. Com isso, a matéria, que havia sido aprovada em primeiro turno em agosto de 2004, foi remetida de volta ao Senado por conta da inclusão, pela Câmara, da previsão de expropriação de imóveis urbanos. Foram 360 votos a favor, 29 contrários e 25 abstenções, totalizando 414 votos. Ao final, os deputados cantaram o Hino Nacional no plenário. Em 2004, foram 326 votos a favor, 10 contrários e 8 abstenções.
Na época, após uma reunião das lideranças partidárias com o presidente da Câmara Marco Maia, houve um acordo para que a proposta fosse colocada em votação. As bancadas orientaram seus deputados pelo “sim”. Parte dos deputados contrários à PEC perceberam que a posição favorável à aprovação teria quórum e recearam defender uma negativa que poderia ser questionada posteriormente pela sociedade – uma vez que o voto para mudança constitucional é aberto. Ao mesmo tempo, quase 100 deputados estavam ausentes. Isso ajuda a explicar o baixo número de votos contrários e leva a uma falsa impressão de que a votação foi fácil, quando – na verdade – a sua viabilização levou anos. E até o resultado aparecer no painel eletrônico, ninguém tinha certeza de nada. Ao final, nem todos os parlamentares obedeceram a orientação partidária, mas o número foi suficiente para passar a matéria.
Confisco - A PEC 57A/1999 ou 438/2001 (a primeira é a numeração no Senado, casa de origem, e a segunda é a que ela recebeu na Câmara) prevê um acréscimo ao artigo 243 da Constituição que já contempla o confisco de áreas em que são encontradas lavouras de psicotrópicos. O projeto está tramitando no Congresso Nacional desde 1995, quando a primeira versão do texto foi apresentada pelo deputado Paulo Rocha (PT-PA), mas não conseguiu avançar. Então, uma proposta semelhante, criada no Senado Federal por Ademir Andrade (PSB-PA), foi aprovada em 2003 e remetida para a Câmara, onde o projeto de 1995 foi apensado.
Devido à comoção popular gerada pelo assassinato de três auditores fiscais e um motorista do Ministério do Trabalho e Emprego durante uma fiscalização rural de rotina em 28 de janeiro de 2004, no que ficou conhecido como a “Chacina de Unaí”, no Noroeste de Minas Gerais, a proposta andou na Câmara. Os produtores rurais Antério e Norberto Mânica, acusados de serem os mandantes do crime, ainda não foram julgados.
Desde sua aprovação em primeiro turno, em 2004, ela entrou e saiu de pauta várias vezes. Dezenas de cruzes foram plantadas no gramado do Congresso e mais de mil pessoas abraçaram o prédio em março de 2008, para protestar contra a lentidão na aprovação da proposta. Dois anos depois, um abaixo-assinado com mais de 280 mil assinaturas foi entregue ao então presidente da Câmara e hoje vice-presidente da República, Michel Temer. Em janeiro do ano passado, Dilma havia colocado a PEC como prioridade legislativa para o governo federal neste ano.
No dia 08 de maio de 2012, houve um ato no auditorório Nereu Ramos, da Câmara, reunindo centenas de pessoas, entre trabalhadores rurais, movimentos sociais, centrais sindicais, artistas e intelectuais, pedindo a aprovação da PEC. Um outro abaixo-assinado com cerca de 60 mil peticionários foi entregue a Marco Maia. Por pressão dos ruralistas, ela acabou adiada para o dia seguinte. A proposta chegou a entrar na fila de votação no dia 9, mas foi retirada. Os ruralistas, então, adotaram como estratégia aproveitar para negociar mudanças profundas no conceito de trabalho escravo, usando a justificativa da aprovação da PEC 438 para tentar descaracterizar o que é a escravidão contemporânea.

EXTRAIDO DO BLOG DO CRÔNICA MENDES:

O RAP E A POESIA - Sergio Vaz (parte I)


O RAP E A POESIA - Sergio Vaz (parte I)

O RAP e literatura da periferia há tempos vem falando de todos esses problemas que hoje viraram pauta nas manifestações deste país.
Quando o sofredor fala ninguém da ouvidos.
Lembra?
"É som de preto, de favelado, mas quando toca ninguém fica parado." (Amilcka e Chocolate)
"Pois é, assim que é" diria o RZO dentro do TREM.
O Racionais MC´s falou que daria um filme, mas deram vários. Inclusive Cidade de Deus, o melhor de todos. PERIFATIVIDADE total.
Em tempos de preconceito explícito, não é fácil ser homem de aço no Brasil (DMN) para os MANOS E AS MINAS (Xis). Se não ficar esperto é POW e PAH, PEI.
É sobre isso que a gente canta e escreve: sobre o homem na estrada em busca de UM BOM LUGAR (Sabotage).
E aí, colocaram FOGO NO PAVIO (GOG) ou FOGO NA BOMBA( De menos crime)? A REALIDADE É CRUEL no CAPÃO PECADO (Ferréz), ou para qualquer SUBURBANO CONVICTO (Buzo).
COLECIONADOR DE PEDRAS (Sergio Vaz) ou não, os saraus de poesia que se espalharam pela periferia, mostraram que não estamos aqui DE PASSAGEM, MAS NÃO A PASSEIO (Dinha).
É o fino da Poesia, é o FINO DU RAP, é nóis TRAFICANDO INFORMAÇÃO (MV Bill). No RAP é CADA GÊNIO DO BECO rimando na SLIM RIMOGRAFIA que a CONEXÃO DO MORRO não para.
Através da VERSÃO POPULAR fomos criando nossa CONSCIÊNCIA HUMANA que o movimento é pra todos, pro G pro H pro I e PROJOTA. Essa é minha VISÃO DE RUA AO CUBO.
ATITUDE FEMININA não falta, FLORA MATOS no jardim da DINA DIVA.
Não tem coisa melhor do mundo que recitar poesia ouvindo a TRILHA SONORA DO GUETO, porque a periferia é e sempre foi a FACÇÃO CENTRAL do bagulho.
EM PUNGA (Akins e Elizandra Mjiba) deram o recado, a RAPADURA é doce, mas não é mole.
Essa poesia sempre percorreu a VIELA 17 e as favelas ao lado do oprimido, ao lado do povo, na luta contra o racismo, o RAP é a música que está perguntando: "Como vai seu mundo?" (Dexter).
Não temos o CORPO FECHADO (Thaíde e Dj HUM), mas também não temos medo, somos o ELO EM BRASA, tanto faz no interior ou na ADEMAR, porque luta sem estratégia é rifa, a gente sabe disso no BINHO ou na COOPERIFA, somos POTENCIAL 3, na primeira potência. É poesia, é CRÔNICA é romance, literatura na veia.
DETENTOS DO RAP, não na vida, esse é o lema dessa literatura.
Somos brancos, índios, mameluco, essa nação é ZÁFRICA BRASIL, porra!
E o CRIOLO está cansado de ser estatística de chacina, EMICIDA, não homicídio, entendeu? SOMOS NÓS A JUSTIÇA. KSL ou NSN?
"DEUS, OLHAI OS FILHOS DA PERIFERIA (N Dee Naldinho), mas é bom a gente ficar de olho também.
O JUÍZ MAIS JUSTO É O TEMPO (Detentos).

SERGIO VAZ

EXTRAIDO DO BLOG DO FERRÉZ:

Buba e o muro social

Buba e o muro Social Para Paulo (Magrelas) Eu até tinha muitas coisas legais para brincar, um ursinho de pelúcia que eu sempre mordia logo pela manhã e durante o resto do dia. Também corria para comer a ração que vinha sempre macia, pois meu dono a mergulhava em água morna, eu também ficava fingindo que estava guardando o portão. Foi meu pai que me ensinou, ele disse assim: "filho, a nossa raça é muito conhecida por ser tranqüila, mas precisamos ser mais do que somente cães bonitinhos e engraçadinhos, o mundo moderno exige que tenhamos mais serventia, do que somente nossos olhos caídos e babas escorrendo, a realidade filho é que os pitt bulls estão na moda, e nós estamos ficando pra escanteio, certo, certo que a gente já sabe onde isso vai dar, que, quando eles querem um carinho, eles vêm para nós, os Basset, que são os melhores, os Hound”. Bom, meu pai era um cara muito inteligente, mas perdi o contato com ele assim que seu dono me vendeu, então eu vim morar com o Moza, que é um cara super 10. Vive saindo à noite para as baladas e eu tenho um puta medo de ficar sozinho, mas seguro as pontas, pego meu ursinho e, sem ninguém ver, eu o agarro com todas minhas forças. É, pessoal, minha vida até que estaria sendo boa se não tivesse acontecido do Moza precisar de dinheiro e ter me vendido. Cara, cês num vão acreditar, eu tinha saído de um pet shop chiquérrimo há poucos minutos, tinha tomado um banho chapado e até uma gravatinha tinha ganhado, confesso que uma cadelinha ficou pagando um pau, mas eu fingi que não vi. Vocês sabe, né? A gente tem que dar uma de difícil, e também confesso uma coisa: eu fui operado quando era bem pequenininho e não posso cruzar, mas faz favor, hein? Comenta com ninguém não. Bom, mas continuando o assunto. Veio um Fusca, um cara muito mal-encarado e me pegou nos braços, depois deu um papel para meu ex-dono e saiu comigo no carro. O cara dirigia mal pra cacete, e eu fiquei com uma vontade de fazer pipi mas me segurei. Cara, você não imagina o medo que me deu, eu fui saindo de perto daqueles prédios bonitos e umas casas grandes de cachorro foram aparecendo. Nossa! Parecia que eu tava indo para uma terra-de-gigantes, fiquei imaginando o tamanho que eles mediam, mas depois me espantei quando vi gente saindo daquelas casas, depois os cachorros que conheci na rua me explicaram que eu estava entrando numa favela. Sabe aqueles banhos no veterinário? Nem pensar, e a ração gostosa e úmida, nunca mais. Depois desse dia, estou vivendo somente com ração de combate e algo louco aconteceu. Eu posso ficar dentro de casa, e até dentro do lugar em que meu novo dono trabalha. Ele fica o dia todo em frente a uma espécie de televisão e fica mexendo os dedos. Já ouvi alguém dizer que ele é escritor, mas nunca consegui ler o que ele escreve. Toda vez que chego perto, ele logo me dá um carinho e pára o que está fazendo para ficar me olhando com ternura. Sabe, a primeira vez que choveu, eu tomei um puta susto, pois começou a encher o quintal de barro, e depois também fiquei sabendo que aquilo era uma enchente. Segundo alguns cachorros – uns bichinhos que eu vi e queria brincar na verdade eram ratos – e me orientaram a não chegar perto. Bom, minha vida mudou muito, às vezes tenho saudade do meu ursinho, mas aprendi a sobreviver aqui e tenho exemplos de muita vitória, como são os vira-latas, nossa! Eles passam cada situação. Eu quase não faço barulho, também não olho o portão, porque não precisa, é todo mundo conhecido e fica entrando gente o dia inteiro. Eles bebem café e conversam durante horas, eu fico esperando a noite chegar, pois no prédio em que eu morava eu não via umas luizinhas no céu, e aqui eu consigo ver. E, de vez em quando, aparece uma bola prateada muito bonita. Eu adoro viver aqui. O céu é azul e não cinza como lá. Bom! É isso. Vou sair daqui agora. Se meu dono me pega escrevendo, eu tô perdido.

MÚSICA DO DIA:

PARALAMAS - SEGUINDO ESTRELAS

Sigo palavras e busco estrelas
O que é que o mundo fez
Pra você rir assim
Pra não tocá-la, melhor nem vê-la
Como é que você pôde se perder de mim
Faz tanto frio, faz tanto tempo
Que no meu mundo algo se perdeu
Te mando beijos
Em outdoors pela avenida
E você sempre tão distraída
Passa e não vê,e não vê

Fico acordado noites inteiras
Os dias parecem não ter mais fim
E a esfinge da espera
Olhos de pedra sem pena de mim
Faz tanto frio, faz tanto tempo
Que no meu mundo algo se perdeu
Te mando beijos
Em outdoors pela avenida
Você sempre tão distraída
Passa e não vê, e não vê

Já não consigo não pensar em você
Já não consigo não pensar em você

VERSÍCULO DO DIA:

Visto que os meus pensamentos me fazem responder, eu me apresso. (Jó 20:2)

FRASE DO DIA:

ENTÃO VOLTO, TIPO CHUVA DE VERÃO, SEM EMOÇÃO.

28 de Junho de 2013

Não me lembro de um único dia nesse blog, desde o seu inicio, que eu tenha ficado sem ter o que escrever, mas confesso que nessa noite que antecede a Sexta está dificil achar algum assunto para desenvolver.
Tá faltando uma pegada e deixar para o dia seguinte é um pouco complicado, mas acho que é melhor não forçar nada, pois, sempre foi ao natural as coisas que escrevi, pois elas sempre vem direto do coração, é de fato o que eu estou sentindo, vejo, entendo e acredito como cabeçalho do blog. Me pego de forma bem natural, escrevendo o dia, a situação, o que eu ouvi e vi, quando espanto, já está lá o texto com inúmeras linhas, frases e pensamentos.
Tenho um amigo que quer transformar o que eu escrevo em desenhos e histórias, um outro acha que eu deveria escrever um livro com os melhores textos, mas creio que isso deve ser bem dificil, pois, são mais de 30 mil postagens já e quase 7 anos de escrita sem parar. São inúmeras as experiências que nessas linhas compartilhei, tive momentos de muita alegria e de tristeza, de muita confiança e também de incertezas, momentos de fé e de incredulidade dignas de um ateu. Mas na maioria são mensagens positivas com alguma lição que eu aprendi, não tenho nada a ensinar, não cuido nem da minha vida direito, mas gosto de trocar experiencias.
Poucos sabem, mas também escrevo músicas, eu já fui vocalista de algumas bandas e uma das frases mais marcantes que eu já ouvi, foi do Herbert Viana do Paralamas do Sucesso, certa vez em uma entrevista a revista Bizz, ele disse que nos momentos tristes é que se faz e compõe as melhores canções. Vivo um momento extremamente só, e isso tem sido muito bom pra mim, falo de coração puro, apesar dos meus 39 anos, eu estou com medo do que me espera, depois de um certo tempo de vida, parece que as coisas andam mais depressa, quando a gente espanta, os filhos cresceram, a juventude se foi e desperdiçamos muitas oportunidades, me sinto nesse momento forte, mas temo pelas escolhas que eu vou fazer de agora em diante, como falei algumas vezes aqui, o meu maior inimigo sou eu mesmo, portanto, depende só de mim, um passo errado oiu mal dado, atingirá outras 4 cabeças e o tempo não para, ele ruge, ele corre, ele voa, escorre pelas mãos.
Bem, pra quem não tinha o que escrever, está ai mais um texto genuino e bem natural, verdadeiro e de cara limpa. Sou humano e assim como você, vivo as minhas angústias e momentos de incertezas, que Deus nos ajude!!!!!

Mudando de assunto: Gravo amanhã, o Black Total 36, para postar na Segunda pela manhã, espero que curtam e espalhem pra geral.

Bom dia.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

JOGO LIMPO:

Olá amigos, a Seleção Brasileira está na final da Copa das Confederações, Domingo as 19h no Maracanã, o time do Luiz Felipe Scolari aguarda agora o seu adversário que sairá do confromnto de hoje a tarde entre Espanha x Itália, vamos analisar na coluna, como foi o jogo de ontem, além de trazer outras noticias do mundo do esporte, a todos, uma ótima leitura.

- BRASIL 2X1 URUGUAY - Foi um jogo brigado, catimbado, bem ao estilo sul americano, o Brasil venceu, mas mostrou muitas deficiências, enquanto tivermos um treinador, do qual não gosto, que se preocupa mais em fazer média com a torcida do que de fato jogar pra ganhar, será assim. O Uruguay não tremeu diante da Seleção Brasileira, jogou pra frente, marcou em cima, anulou os principais jogadores na maioria do tempoe se jogar assim contra a Espanha, vai tomar um sacode histórico dentro de casa. David Luiz nunca foi esse zagueiro que todo mundo fala, no jogo de ontem, cansou de errar, entre eles, a penalidade boba em Lugano, Forlán bateu mal e Julio César defendeu, o lance abalou o camisa 10 uruguaio e estremeceu ainda mais a relação do atacante do Internacional, com os demais jogadores da frente, Suárez e Cavani. Com Oscar e Neymar sumidos, ficou a cargo de Paulinho o melhor lance do primeiro tempo que terminou em gol, ele fez um longo lançamento para Neymar que ganhou de Maxi Pereira e Lugano, o goleiro Muslera saiu no abafa e ela sobrou para Fred que de canela fez 1x0, o engraçado é que, se o atacante batesse bem na bola, ela não entraria.
Veio o segundo tempo e Felipão voltou com mesma formação e com o mesmo jeito morto de jogar, Hulk foi muito vaiado e só o treinador o defende e o entende em sua forma de jogar, a zaga brasileira bateu cabeça novamente, dessa vez Thiago Silva entregou o ouro e Cavani pegou a sobra para de canhota, colocar no canto de Julio César e empatar o jogo em 1x1, o gol colocou ainda mais pressão na Seleção Brasileira que errava tudo que tentava, até que Felipão resolveu colocar Bernard para fazer média com a torcida mineira, o certo seria colocar o Lucas, pois o atacante do Atlético/MG foi jogar em uma posição na qual o meia do PSG/FRA é especialista, mesmo assim, a torcida acordou e aos trancos e barrancos levou o time pra frente, Bernard foi mais obejtivo e efetivo em 10 minutos do que o tempo em que Hulk atuou. No fim da partida, quando tudo indicava que teriamos prorrogação, Neymar cobrou um escanteio, Muslera saiu errado e Paulinho ao seu estilo, subiu mais que todo mundo para desempatar de cabeça e classificar o time pra final no Maracanã. Ganhou é verdade, mas vai ter que melhorar
muito se quiser levar o título no Domingo. 


RAPIDINHAS:

- Copa das Confederações: HOJE - ESPANHA X ITÁLIA (16h)

- O São Paulo anunciou, na madrugada de Terça-feira, a contratação do veterano lateral esquerdo argentino Clemente Rodriguez, de 31 anos, tricampeão da Libertadores com a camisa do Boca Juniors e presente em alguns jogos da seleção de seu país nas Eliminatórias para a Copa do Mundo de 2014. O reforço irá assinar por duas temporadas e, por ter contrato com o time argentino até 30 de Junho, vai se apresentar no Morumbi na próxima semana. O elenco são-paulino conta atualmente com Juan e o recém-contratado Reinaldo para a posição.

- A saída do atacante Trezeguet do River Plate (ARG) aconteceu na última Segunda-feira, após o técnico Ramón Díaz entregar uma lista de dispensa para a diretoria argentina. E de acordo com o Diário Olé, da Argentina, o Flamengo é um dos clubes que acompanha a situação do jogador para reforçar o elenco, além de outra equipe argentina. O diretor executivo de futebol do Flamengo, Paulo Pelaipe, e o vice-presidente da pasta, Wallim Vasconcellos, não foram encontrados para comentar a possível negociação.

- A BDO Brazil, empresa de auditoria e consultoria financeira, divulgou um estudo que mostra a dívida total dos principais clubes de futebol do Brasil. O montante de R$ 4,03 bilhões aumentou para R$ 4,723 bilhões entre 2011 e 2012, o que representa uma variação de 11%. A pesquisa incluiu 20 clubes da Série A e três da Série B do Brasileiro. As cinco maiores dívidas são de Flamengo (R$ 741 milhões), Botafogo (R$ 613,8 milhões), Fluminense (R$ 434,9 milhões), Atlético/MG (R$ 414,5 milhões) e Vasco (R$ 410 milhões). Dos clubes considerados grandes, o Cruzeiro de Minas Gerais é o dono da menor dívida, com R$ 143 milhões. O Atlético Paranaense, por sua vez, está com a situação financeira tranquila e não aparece na lista de endividados. A dívida com maior crescimento entre 2011 e 2012 pertence ao Flamengo, que saltou de R$ 355,5 mi para R$ 741,7 mi e cravou uma variação de 109%. O Criciúma/SC também teve o montante aumentado de R$ 6,7 mi para R$ 10,4 mi, o que representa cerca de 55%.

Ranking completo do endividamento dos clubes brasileiros
01º) Flamengo - R$ 741 milhões
02º) Botafogo - R$ 613,8 milhões
03º) Fluminense - R$ 434,9 milhões
04º) Atlético - R$ 414,5 milhões
05º) Vasco - R$ 410 milhões
06º) Palmeiras - R$ 287,2 milhões
07º) Internacional - R$ 214 milhões
08º) São Paulo - R$ 199,7 milhões
09º) Santos - 194,4 milhões
10º) Grêmio - 187,2 milhões
11º) Corinthians - R$ 177,1 milhões
12º) Cruzeiro - 143 milhões
13º) Ponte Preta - R$ 138 milhões
14º) Portuguesa - R$ 135,4 milhões
15º) Coritiba - 112,8 milhões
16º) Goiás - 80,9 milhões
17º) Náutico - 66,2 milhões
18º) Bahia - 61,2 milhões
19º Avaí - 40,2 milhões
20º) Figueirense - 35,6 milhões
21º) Vitória - 15,6 milhões
22º) Criciúma - 10,4 milhões
23º) Atlético-PR - 0,0 milhões.
Total - 4,723 bilhões de reais
Fonte: www.uai.com.br

- Flamengo e São Paulo farão amistoso no Parque do Sabiá, no Sábado, 29/06, às 19h. Ao contrário da decisão tomada para a partida entre América e Vasco, a Polícia Militar de Uberlândia não apresentou qualquer tipo de restrição ao evento marcado para este fim de semana.

- O novo técnico do Real Madrid, o italiano Carlo Ancelotti, pediu como primeira contratação, o volante Paulinho, que segundo a imprensa esportiva de São Paulo, já estaria fechado com o Tottenhan da Inglaterra, será que vai rolar uma reviravolta?

- O jornalista Juca Kfouri foi internado no Hospital Mater Dei, em Belo Horizonte (MG), por volta das 22h de Terça-feira, após sofrer uma isquemia cerebral aguda - espécie de AVC (Acidente Vascular Cerebral). A informação foi confirmada pela instituição em boletim médico, divulgado ontem. Apresentador e comentarista dos canais ESPN, Kfouri foi internado no CTI (Centro de Tratamento Intensivo) da Unidade Cardiovascular e submetido a exames especializados de rotina. O jornalista respondeu bem aos tratamentos realizados após a internação e viu o total desaparecimento dos sintomas apresentados. No blog oficial do jornalista, uma mensagem foi publicada, também nesta Quarta, explicando seu estado de saúde e informando sobre a possibilidade de ele retornar ao trabalho no Domingo (30), dia da final da Copa das Confederações, no Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

- Acabou a novela: Carlos Tevez é jogador da Juventus. Após diversas especulações, o clube italiano oficializou, nesta quarta-feira, a contratação do atacante, que chega para vestir a histórica camisa 10 de Alessandro Del Piero, e receber um salário de 5,5 milhões de euros (R$ 15,6 milhões) por cada uma das três temporadas acertadas no contrato. O argentino, que custou 9 milhões de euros (R$ 26 milhões) aos cofres de sua nova equipe, chegou a Turim na noite de hoje. Tevez já chega à Juventus com muita responsabilidade. O atacante será o primeiro atleta a usar a camisa 10 do time após a saída do atacante Alessandro Del Piero, "dono" do número há quase 20 anos, para o Sydney FC, da Austrália. Além de Tevez, o espanhol Fernando Lloriente, ex-Athletic Bilbao, também foi comprado para reforçar o setor da atual bicampeã italiana na próxima temporada.

- Técnico da seleção espanhola, Vicente del Bosque adotou o mistério na conferência de imprensa oficial da Fifa antes da semifinal da Copa das Confederações contra a Itália, marcada para esta Quinta-feira, no Estádio Castelão. Na entrevista de hoje, o treinador não divulgou quem será o goleiro titular da equipe nem esclareceu as condições físicas do meia Cesc Fàbregas e do atacante Roberto Soldado, que sofrem com dores musculares. A Espanha adotou um revezamento entre os goleiros na primeira fase da Copa das Confederações: Casillas jogou na vitória por 2 a 1 sobre o Uruguai; Pepe Reina na vitória por 10 a 0 sobre o Taiti; Victor Valdés na vitória por 3 a 0 sobre a Nigéria.

- A novela envolvendo Cleber, da Ponte Preta, e Corinthians teve um desfecho no início da tarde de ontem. E foi bom para todas as partes envolvidas. Sem clima para continuar no Moisés Lucarelli e com vontade de continuar no Brasil para ficar mais próximo da Seleção, o zagueiro foi negociado por R$ 8 milhões e vai ser apresentado como novo reforço do clube paulista na próxima semana.

- Nesse Domingo tem Fórmula 1 e o GP da Inglaterra em Silverstone, as 13h, com transmissão da Globo.

- Liga Mundial de Vôlei - Sexta as 10h, no Ibirapuera, tem Brasil x França pela sétima rodada da competição.


Por hoje é só, até Segunda.

CONVITE:


CORUJA:


RUA FIRMINO LOPES EM GOITACAZES - PURO DESCASO DA PMCG - FOTOS TIRADAS EM 20/11/12 e 24/03/13



CONVITE:


CONVITE:


VERDADE:


A CARA DO VILÃO...


OWLLLLLLLLLL!!!!!!


ATITUDE DE MOLEQUE


FALTA UMA...


EXTRAIDO DO BLOG - TE DOU UM DADO:

Feira Fashion Week

Publicado por: Polly
Diz a sabedoria popular que o ano no Brasil só começa depois do carnaval, mas a gente bem sabe que o buraco é mais embaixo...
Untitled 114 Agora sim
O ano só começa mesmo depois do casamento anual da Gretchen. Cabou a farra, bora trabalhar!

EXTRAIDO DO KIBELOCO:

KIBE LOCO 1990 (PARTE 3)


Voltamos no tempo mais uma vez para a terceira edição do nosso portal com notícias do passado. Com vocês, mais um KIBE LOCO 1990…

EXTRAIDO DO FACE - EU SOU MEIGA, PORRA³:

"Olho mensagens antigas e penso: "Nem parecia que eu ia tomar no cu.""

EXTRAIDO DO FACE - EU SOU MEIGA, PORRA²:

“Sempre quis um amor, que por amor, me quisesse também.”

EXTRAIDO DO FACE - EU SOU MEIGA, PORRA:

"Não confie na frase de sua avó, de sua mãe, de sua irmã de que um dia encontrará um homem que você merece. Não existe justiça no amor. O amor não é democrático, não é optar e gostar, não é promoção, não é prêmio de bom comportamento. Amor é engolir de volta os conselhos dados às amigas. Não se apaixonará pela pessoa ideal, mas por aquela que não conseguirá se separar. A convivência é apenas o fracasso da despedida. O beijo é apenas a incompetência do aceno. Amor é uma injustiça, minha filha. Uma monstruosidade. Você mentirá várias vezes que nunca amará ele de novo e sempre amará, absolutamente porque não tem nenhum controle sobre o amor." Fabrício Carpinejar

EXTRAIDO DO MORRI DE SUNGA BRANCA:

PAREM AS MÁQUINAS: Saiu a Escala de Ódio A Fazenda 6

Finalmente saiu a Escala de Ódio A Fazenda 6! Desculpem a demora, mas é que eu estava meio ocupada casando rs
Mas vamos ao que interessa, saber quem a gente vai odiar ou amar neste celeiro de selecionadíssimos quase famosos que ninguém conhece. Inclusive vou colocar o perfil que está no próprio site, porque é simplesmente maravilhoso.
Vem curtir um ódio platônico aqui com a gente!
Nome: Oliver do teste de fidelidade
O que faz da vida: Teste de fidelidade


Perfil no site:
Ícone do quadro Teste de Fidelidade, comandado por João Kléber na Rede TV!, Oliver já posou nu na G Magazine, fez filme pornô e atualmente busca emplacar sua carreira de ator. Quanto à participação na Fazenda, ele é confiante: 
“nada vai me fazer sair do programa, porque quem me ama sabe que esse é meu sonho e não vou perder essa oportunidade”.
Como fazer ele surtar dentro da Fazenda:
Troque todas as camisetas baby look gola V dele por moletons larguinhos na cor marrom diarréia.
Por que iremos odiar: 
Porque descobrimos que o Teste de Fidelidade é armado.
Numa escala de 1 a 5 salvejorgezinhos, quanto vamos odiar: 

 

Nome: Paulo Nunes
O que faz da vida: Luzes no cabelo


Perfil no site: 
Ex-jogador de futebol, bicampeão brasileiro e bicampeão da Libertadores da América, Paulo Nunes tinha a irreverência como sua grande marca em campo. Hoje em dia, tem negócios diversos, como um centro de treinamento para jovens talentos e o investimento em artistas de arrocha e sertanejo. No programa, ele deve passar por algumas dificuldades: 
“Não admiro nada na vida do campo e acordar cedo pode ser um grande obstáculo pra mim”.
Como fazer ele surtar dentro da Fazenda: 
Troque o vidrinho de água oxigenada dele por uma tinta cor acaju metaleira. 
Por que iremos odiar: 
Porque o pessoal da cota de ex-jogadores de futebol é sempre um porre.
Numa escala de 1 a 5 salvejorjezinhos, quanto vamos odiar:

Nome: Foguinho
O que faz da vida: Disputa com a vilã Leona a presidência da loja de departamento Luxus


Perfil no site: 
Ex-líder do grupo Funk’n’Lata, que explodiu na década de 90 com o hit Não É Mole Não, Ivo era o presidente da escola de samba Estação Primeira de Mangueira, cargo do qual se afastou meses atrás. Sobre a participação na Fazenda, ele não tem receios: 
“Seria legal encontrar um desafeto no programa só pra ver a reação cara a cara”.
Como fazer ele surtar dentro da Fazenda:
Diga as palavras mágicas "não concordo com você, ivo"
Por que iremos odiar: 
Mal estreou o programa e já estamos odiando!
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto vamos odiar:



Nome: Filha da Monique Evans
O que faz da vida: Modelo filha da Monique Evans


Perfil no site: 
Modelo e filha de Monique Evans, que participou da Fazenda do ano passado, é acostumada a lidar com os holofotes desde criança. Recentemente, Bárbara, que já foi capa da Playboy, estrelou um ensaio fotográfico bem comportado ao lado da mãe, em celebração ao Dia das Mães. Sobre sua participação no programa, ela é direta: 
“Quero ganhar todos os prêmios possíveis e, claro, o prêmio principal”.
Como fazer ela surtar dentro da Fazenda:
Obrigue ela a comer carboidratos de noite.
Por que iremos odiar:
Porque procurei uma foto zoada dela pra ilustrar o post e essa desgraçadinha não tem ângulo ruim. 
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto vamos odiar:

Nome: Beto
O que faz da vida: Pau pra toda obra


Perfil no site:
Modelo internacional, Beto é ex-militar e se considera “pau pra toda obra”. Seu trabalho mais recente é um ensaio para a Revista Junior, clicado pelo fotógrafo internacional de moda Lucio Luna. Quando questionado sobre suas razões para participar da Fazenda, ele não titubeia: 
“Quero ganhar o prêmio”.
Como fazer ele surtar dentro da Fazenda:
Quando ele soltar a frase clichê "beleza não é tudo" responda a ele "e também, nem achei você tão bonito assim" surto garantido.
Por que iremos odiar: 
Porque ele e o Oliver pra mim são a mesma pessoa na fazenda até agora, odeio pessoas parecidas dentro de um mesmo reality.
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto vamos odiar:

Nome: Yudi
O que faz da vida: Playstation


Perfil no site:
Apresentador de TV e ícone teen, Yudi já comandou o Bom dia & Cia e o Cantando no SBT, ambos na emissora de Silvio Santos. Ele é também cantor e dançarino e sua atual aposta é na carreira musical. Sobre a participação no programa, duas coisas o preocupam: ele tem medo de animais e não sabe fazer nenhuma tarefa doméstica.
Como fazer ele surtar dentro da fazenda:
Fale que prefere a Maísa
Por que iremos odiar:
Quantas crianças inocentes ja ligaram para o Bom dia e cia desejando um playstation e ganharam um melocoton? Quantas queriam um computador e ganharam um banco imobiliário? Você traumatizou muitas crianças, Yudi. Muitas. Elas jamais esquecerão. E eu adoro esse vídeo


Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:

Nome: Aryane Soeriuoasiydaskhjahdaydfajsgewtyipt
O que faz da vida: Ex-Panicat


Perfil no site:
Aryane é ex-panicat e deseja se lançar como atriz após a participação na Fazenda. Hoje em dia, ela tem investido na carreira de DJ e aposta em atuações com trajes mínimos atrás das pick-ups. A modelo se acha cativante e quer conquistar o Brasil em sua participação no programa.
Como fazer ela surtar dentro da fazenda:
Momentos antes dela ser eliminada, minta que não tem câmera nenhuma filmando ela, que aquilo era apenas uma fazenda normal e ela estragou o megahair e as unhas a toa.
Por que iremos odiar:
Na descrição do site, Aryane conseguiu falar as palavras-chave "DJ" "Atriz" "Trajes Mínimos" e "Cativante". Me digam amigos: TEM COMO ODIAR UMA PESSOA DESSAS?
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:

Nome: Sheila Carvalho
O que faz da vida: Eterna ex - É o tchan


Perfil no site:
Ex-dançarina do grupo É O Tchan e recordista de capas da Playboy, revista que estampou cinco vezes, Scheila foi também eleita três vezes consecutivas “a mulher mais sexy do mundo” pela revista VIP. Hoje em dia é apresentadora de TV na Bahia e dona de casa dedicada. Na Fazenda, acredita que 
“o maior obstáculo vai ser conviver com pessoas arrogantes”.
Como fazer ele surtar dentro da fazenda:
Diga que a Carla Perez sempre foi a dançarina principal
Por que iremos odiar:
Não tem como odiar Sheiloca. Ela de certa forma moldou meu caráter com suas danças, seu gingado, suas playboys. Conheci o mundo com ela. Havai, Egito, Japão. Tantas lembranças de um tempo inocente no qual eu segurava o tchan sem maldade alguma.
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:


Nome: Gominho O que faz da vida: Fofoca no twitter


Perfil no site:
Filho orgulhoso de Bangu, subúrbio do Rio de Janeiro, Gominho adora aparecer em fotos ao lado de celebridades, que são também seu assunto preferido. Já apresentou programa sobre famosos e, em seu perfil no Twitter, se declara “filhinho da mamãe, amigo de Ivete, amor da Galisteu e afilhado de Preta”. Sobre a participação no programa, ele tem apenas um receio: 
“Não me dou bem com bichos, mas sempre tem a primeira vez”.
Como fazer ele surtar dentro da fazenda:
Dá o prato de comida dele para a Barbara Evans
Por que iremos odiar: 
Odiar Gominho? Não conseguiremos.
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:  Gominho tão fofo que daremos ivetinhas pra ele porque ele adora!




Nome: Irmão do Vavá O que faz da vida: Irmão do Vavá


Perfil no site:
Cantor do grupo de pagode Karametade ao lado do irmão, Vavá, que participou da última temporada da Fazenda, Márcio é bem humorado, daqueles que perde o amigo, mas não perde a piada. Está solteiro e vai ao reality com intenções bem diferentes do irmão: ele quer saber de diversão. Ex-bancário, sua principal razão para participar do programa é irônica: 
“O dinheiro foge de mim”.

Como fazer ele surtar dentro da fazenda: 
Passe o programa todo chamando ele de Vavá
Por que iremos odiar:
Nem sei quem é ele, só conheço o Vavá. Tanto que coloquei uma foto do Vavá na descrição dele e ninguém notou.
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:

Nome: Mulher Filé O que faz da vida: Mulher Filé



Perfil no site:
Mais conhecida como Mulher Filé, Yani começou a carreira como dançarina do fenômeno do funk carioca Mr. Catra. Recentemente, a dançarina emagreceu 12 quilos após um ganho de peso inesperado que estava atrapalhando sua carreira. Sobre a participação na Fazenda, Filé tem um receio: 
“As provas de resistência podem ser um grande obstáculo pra mim”
Como fazer ela surtar dentro da fazenda:
Acredito muito no potencial dela surtar sozinha mesmo.
Por que iremos odiar:
Antes de falar qualquer coisa sobre Mulher Filé, clique NESTE LINK e depois volte aqui. Voltou? Traumatizou? Quer continuar falando sobre a mulher filé? Eu também não, grata.
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:



Nome: Cássia Eller O que faz da vida: Blogueira


Perfil no site:
Vencedora, entre dois mil concorrentes, do concurso que escolheu uma nova intérprete para a banda do Domingão do Faustão, Lu Schievano não tardou em mostrar ao Brasil a personalidade forte e impulsiva: foi demitida do programa duas semanas após sua estreia, devido a exigências inesperadas como, por exemplo, um camarim exclusivo na Rede Globo. Quanto à sua participação na Fazenda, ela tem uma consideração especial: “quero evoluir e tirar o trauma de programas de televisão, juro”.
Como fazer ela surtar dentro da fazenda:
Surtadíssima. Assisti 5 minutos do que consegui acompanhar desde estréia e já tarra querendo socar as fuça dessa mulher.
Por que iremos odiar:
Ontem ela chorou enquanto a Andressa Urach contava sobre ter sido enganada pelo Cristiano Ronaldo. Fim.
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:


Nome: Matheus Verdelho
O que faz da vida: LLLLLLLIIIIIIIIIIINDOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOOO AAAAAAAAAHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH


Perfil no site:


Como fazer ele surtar dentro da fazenda:


Por que iremos odiar:


Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:


Nome: Furacão da CPI O que faz da vida: Furacão da CPI


Perfil no site:
Também conhecida como “Furacão da CPI”, ela é advogada e ficou famosa devido ao vazamento de uma sex tape com sua imagem, na época em que era assessora do senador Ciro Nogueira (PP-PI), que participava de uma Comissão Parlamentar de Inquérito na Câmara dos Deputados.
No Carnaval de 2013, Denise foi musa da Mocidade Independente de Padre Miguel e protagonizou um episódio pitoresco: virou hit nas redes sociais ao declarar que havia parcelado em “muitas” vezes a fantasia de 30 mil reais.
Como fazer ela surtar dentro da fazenda:
Não sei, mas alguém assim com mais intimidade com ela podia avisar que lente de contato azul é mais feio que a Gretchen acordando de ressaca?
Por que iremos odiar:
Odiar? To é morrendo de medo dessa mulher! Vocês já viram o tamanho dela? Vocês já ouviram a voz dela? Ela aparece na tv e já corro estocar água e alimentos não perecíveis com muito medo de sair de casa!
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:
 UM SÓ DENISE QUERIDA NÃO ME BATE POR FAVOOOOOOOR
Nome: Rita Cadillac O que faz da vida: Ex Chacrete, Ex cantora, Ex dançarina, Ex candidata a vereadora, Ex atriz pornô (inclusive com o Oliver que também tá na Fazenda rssss) e atual Rita Cadillac


Perfil no site:
Ícone dos anos 80 e ex-chacrete do Programa do Chacrinha, Rita é uma mulher que não tem vergonha de falar a verdade e orgulha-se de ser a primeira famosa a fazer shows sensuais em lugares como o garimpo de Serra Pelada e o antigo presídio do Carandiru. Rita espera ganhar o prêmio da Fazenda para fazer um pé de meia: “Minha relação com dinheiro é péssima”.

Ela por ela - 
“Topei participar do programa porque preciso do dinheiro pra pagar a faculdade da minha neta e pra comprar uma casa pra morar com ela e alguns cachorros de rua.”
Como fazer ele surtar dentro da fazenda:
Alguém relembra do pornô dela com o Oliver POR FAVOR
Por que iremos odiar:
Odiar Ritinha? JAMÉ! Adoramos essa mulher guerreira, que já deu muito duro pra se manter em pé.
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar:

Nome: Andressa Urach O que faz da vida: Musa do Morri de Sunga Branca e VICE Miss Bumbum


Perfil no site:
A segunda colocada do Miss Bumbum 2012 é também namoradeira assumida e conhecida por seus affairs com famosos como o jogador Cristiano Ronaldo e o herdeiro de Eike Batista, Thor. Recentemente, a modelo foi flagrada aos beijos com uma das maiores promessas do sertanejo atual, Raffael Machado. Participar do programa, para ela, “é uma oportunidade única de mostrar ao Brasil quem realmente sou”.
Como fazer ele surtar dentro da fazenda:
vamo lá, todo mundo em coro: VICE MISS BUMBUM!!! VI CE MISS BUM BUM VIIIIIIIIICE UH UH UH VIIIIIIIIIIICE



Por que iremos odiar:
Nosso amor por Andressa estava escrito nas estrelas, a cada matéria do EGO, cada foto da bunda, cada roubo de fantasia no carnaval, cada affair que deu errado. Éramos nós que estávamos lá do ladinho da Dessa dando uma força pra ela continuar na carreira de Subcelebiscate! Te amamos, Dessinha! Nossa VICE Miss Bumbum mais amada do Brasil apesar de ser VICE Miss Bumbum rsrsrsrs
Numa escala de 1 a 5 salvejorginhos, quanto iremos odiar: